Sabrina Aguiar

sabrina.aguiar@ndtv.com.br Coluna sobre os assuntos de Joinville e região. A economia, segurança pública, política e todos outros fatos por quem vive e pensa sobre as cidades.


Salários atrasados do SAMU: sindicato entra com ação trabalhista

No Norte catarinense, funcionários entraram no mês de novembro ainda sem saber quando irão receber salários

A situação de calamidade no SAMU não é nova. Agora, mais um triste capítulo com os salários referentes ao mês de outubro e devem ser pagos neste mês de novembro. Estão atrasados. Aqui na região Norte, o Sindicato dos Empregados da Saúde entrou com ação trabalhista para requerer o direito e cobrar multa por conta o não pagamento na data prevista e acertada.

Em Joinville são cerca de 100 empregados e Jaraguá do Sul, 20 contando os médicos. A informação repassada pela empresa responsável OZZ Saúde é de que numa ação judicial do Sindisaude de Criciúma e Região, a empresa teve penhora de valores em montante próximo a R$ 3 milhões.

Empregados do Samu  ainda sem receber salários – Foto: Divulgação/Empregados do Samu  ainda sem receber salários – Foto: Divulgação/

A empresa encaminhou uma nota na última sexta, 5, informando que tomou todas as medidas cabíveis para reverter a decisão judicial e ordenando a liberação mediata dos valores retidos. Ainda na nota, o que foi repassado é que os valores foram liberados pela justiça, mas ainda não recebidos pela empresa por questões administrativas. A promessa é de que nesta segunda, 8, ou terça, 9, o dinheiro deve ser liberado, mas não há qualquer garantia.

Por isso, ainda sem ter a certeza, o Sindicato dos Empregados da Saúde do Norte catarinense está movendo ação trabalhista para exigir os pagamentos com urgência e multa pelo atraso de salário.

O presidente do Sindicato, Lorival Pisetta ainda lembrou que também não estão sendo pagos os reajustes das convenções dos sindicatos desde quando dessa empresa assumiu o Samu, há cerca de três anos e meio. Este inclusive foi o motivo da penhora e agora afeta empregados de todo estado.

O FGTS também não está sendo recolhido em favor de nenhum empregado. Ou seja, uma situação caótica que só traz mais e mais preocupações para um serviço tão vital nos municípios.

Pisetta está interagindo com os sindicatos de outras regiões catarinenses para unir forças e mobilizar. Tanto que nessa quarta, 10, uma audiência pública acontecerá na Assembleia Legislativa e buscar soluções urgentes.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Joinville e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
Loading...