Santa Catarina tem déficit de 80 mil doses para cumprir primeira fase da vacinação

Informação é do secretário da saúde, André Motta Ribeiro, em coletiva de imprensa realizada após chegada de novas doses da vacina em SC neste domingo (24)

O secretário de saúde de Santa Catarina, André Motta Ribeiro, informou que o Estado tem um déficit de 80 mil doses para cumprir a primeira fase de vacinação. A informação foi repassada à imprensa na manhã deste domingo (24), em coletiva no Aeroporto Hercílio luz, em Florianópolis, logo após a chegada de 47,5 mil doses de vacinas contra a Covid-19.

André Motta Ribeiro fala sobre vacinação em SCAndré Motta Ribeiro informou que, na próxima semana, Santa Catarina espera receber de 100 a 120 mil novas doses da CoronaVac – Foto: Julio Cavalheiro/SECOM

A nova remessa de vacinas, a segunda recebida por Santa Catarina, é de origem indiana, da Oxford/AstraZeneca. Elas foram transportadas em um avião da Gol, que desembarcou na Capital do Estado, às 8h40.

Em seguida, as doses foram levadas para o depósito da DIVE (Diretoria de Vigilância Epidemiológica), em São José, na Grande Florianópolis, tal qual a primeira remessa que o Estado recebeu na última segunda-feira (18).

“Hoje é mais um dia no nosso plano de vacinação, estamos recebendo, pelo que fomos informados, algo em torno de 47 mil doses e agora estamos fazendo a conferência”, disse Motta Ribeiro.

Ele informou que, ainda neste domingo, as vacinas serão catalogadas e divididas, para a partir de segunda-feira (25) serem distribuídas para todos os municípios, como na etapa anterior, com as vacinas CoronaVac.

Quem também participou da coletiva de imprensa, após a chegada das vacinas, foi o superintendente do Ministério da Saúde em Santa Catarina, Rogerio Ribeiro.

Coletiva de imprensa sobre a vacinação em SCColetiva de imprensa com o secretário de saúde de SC, André Motta Ribeiro, e o superintendente do Ministério da Saúde em SC, Rogerio Ribeiro – Foto: Julio Cavalheiro/SECOM

Lotado em Florianópolis, e com atuação também em Brasília, ele explicou que cumpre a função de background nas demandas de saúde no Estado.

“A nossa missão aqui é coordenar a entrega das vacinas, garantir que o produto chegue no quantitativo correto para o gestor do Estado que é o doutor André Motta e, graças a Deus, transcorreu tudo bem”, anotou o representante do Ministério da Saúde.

Logística de distribuição

O secretário de saúde garantiu que a logística de distribuição da nova remessa de vacinas para SC está pronta há várias semanas e que o critério é o mesmo: “caminhão e, se o tempo permitir, enviaremos por avião”, afirmou o secretário.

A intenção do governo de SC é iniciar a distribuição logo cedo na segunda-feira, por volta das 6h, 7h da manhã. Isso no caso das vacinas distribuídas para as cidades próximas do depósito da DIVE, na Grande Florianópolis.

Descarregamento do avião com doses da Oxford/AstraZeneca para vacinação em SC

Segunda remessa com doses da vacina contra a Covid-19, dessa vez da Oxford/AstraZeneca, chegaram na manhã deste domingo (24) em SC – Foto: Julio Cavalheiro/SECOM

A distribuição para o Oeste, por exemplo, dependerá das circunstâncias do tempo, pois deve ser feita por via aérea.

O Secretário de Saúde disse que as doses que o estado recebeu, até o momento, ainda são insuficientes para imunizar todas as pessoas na primeira fase da vacinação.

“Estamos recebendo, nesta próxima semana, mais um quantitativo da CoronaVac (…) As notícias é que vêm para o Estado em torno de 100 a 120 mil doses, mas isso é sempre calculado conforme a disponibilidade do próprio laboratório”, informou Ribeiro.

A meta para a primeira fase da vacinação no Estado é imunizar 430 mil pessoas. Por isso, o secretário de Saúde disse que, a depender do que vai chegar da CoronaVac, o déficit de vacinas para o Estado, gira em torno de 80 mil doses.

Na próxima quarta-feira (27), Motta Ribeiro participará de uma nova reunião do CONAS (Conselho Nacional dos Secretários de Saúde), onde buscará respostas para informar quando SC terá todas as doses disponíveis para encerrar a primeira fase de vacinação.

Nova remessa

O Secretário de Saúde antecipou que, em março, haverá uma produção significativa da Oxford/AstraZeneca, possibilitando o término da vacinação na primeira fase e o avanço da imunização. Ele disse, no entanto, que essa informação ainda precisa ser confirmada.

“A chegada das vacinas é mais uma esperança, lembrando apenas que a pandemia continua e não é a chegada das vacinas que nos autoriza a diminuir o enfrentamento”, reforçou Motta Ribeiro.

Questionado se todas as doses da CoronaVac que chegaram na segunda-feira (18) foram aplicadas, o secretário disse que não tinha essa informação, mas que a ordem é: “vacinar imediatamente”.

Acesse e receba notícias da Grande Florianópolis pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Saúde