SC entra em alerta com três regiões com 100% de ocupação dos leitos de UTI Covid-19

Estado apresenta 96,54% de lotação dos 1.039 leitos de UTI ativos para tratamento de pacientes adultos com Covid-19; região com menor índice de lotação tem apenas 16 vagas

Santa Catarina registra 100% de ocupação dos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para adultos em tratamento da Covid-19, conforme atualização na manhã desta quinta-feira (17).

Lotação leitos Covid-19 para adultos; Oeste, meio-oeste e Sul apresentam 100% de lotaçãoOcupação de leitos UTI para pacientes adultos com Covid-19 – Foto: SES/Reprodução/ND

Entre elas, o Oeste está com os 156 leitos ocupados. Assim como o Meio-Oeste e Serra Catarinense (130) e Sul (126). A região do Foz do Rio Itajaí apresenta 98,15% de ocupação dos 108 leitos, ou seja, apenas dois estão disponíveis. Em seguida, o Planalto Norte e Nordeste conta com apenas cinco vagas disponíveis para internação de pacientes adultos.

O Vale do Itajaí registra 92,40% de ocupação dos 171 leitos, restando apenas 13 para internação. A região da Grande Florianópolis – com a menor taxa de ocupação -, com 137 leitos, registra 88,32%, restando apenas 16 disponíveis.

No geral, são 1.039 leitos ativos em Santa Catarina, mas 96,54% já estão ocupados, restando 36 disponíveis.

De acordo com o médico infectologista Martoni Moura e Silva, não é possível culpar apenas a chegada do inverno como o resultado da lotação dos leitos.

“Estamos com mais de um ano e meio de enfrentamento da Covid-19 e achamos que depois do último inverno poderia ter uma alteração por conta do clima, mas não vimos isso. Na região Norte do Brasil, por exemplo, tivemos colapso e independente da estação do ano”, explicou Martoni Silva.

Porém, ele destacou que o alto número de casos ativos, ultrapassando os 23 mil, conforme atualização da última quarta-feira (16), é um dos fatores para a complicação no cenário da rede hospitalar catarinense.

Ocupação acima de 96% em leito de UTI geral

Santa Catarina registra 96,89% de ocupação nos leitos de UTI para pacientes adulto em geral. Conforme o painel de leitos de UTI SUS, a região do Oeste está com todos os 189 leitos ocupados. Assim como a rede hospitalar do Meio-Oeste e Serra com lotação máxima em seus 186 leitos disponíveis.

Em seguida, a região do Foz do Rio Itajaí apresenta 98,62% dos 145 leitos, ou seja, apenas dois estão disponíveis, mas apenas para pacientes com Covid-19. O Sul catarinense conta com apenas três disponíveis para pacientes que necessitam de atendimento geral, mas nenhum disponível para tratamento da Covid-19.

Grande Florianópolis, conforme atualização por volta das 11h, registra apenas três leitos disponíveis para pacientes em geral. O número aumenta para 16 leitos de UTI Covid para adultos.

Mapa apresenta lotação total dos leitos em geral na rede hospitalar Ocupação geral dos leitos de UTI na rede hospitalar de Santa Catarina – Foto: SES/Reprodução/ND

Mais de 50 pedidos de transferência para leitos de UTI Covid

Conforme o relatório estadual das solicitações de transferência para leitos Covid, atualizado na manhã desta quinta-feira (17), 56 pacientes aguardam transferência para leitos UTI para tratamento da Covid-19.

Imagem mostra ambulância do Samu e homem abrindo a porta traseiraEstado registra 56 pacientes esperando por transferência para UTI – Foto: ADR Blumenau/Divulgação/ND

Na região do Grande Oeste, onde todos os leitos estão ocupados, dois pacientes do Hospital Regional Terezinha Gaio Basso, em São Miguel do Oeste, aguardam transferência. Assim como um do Hospital São José, em Maravilha.

Outros 16 pacientes esperam em hospitais do Meio-Oeste, que também apresenta 100% de lotação em leitos de UTI para adultos em tratamento da Covid-19.

A região da Serra conta com mais oito pedidos, Norte/Nordeste – Joinville – com 12 para leito UTI e dois para leito clínico Covid. Criciúma contabiliza 17 pedidos.

“Mesmo com a internação, não é garantia de sair da doença. Então, com o aumento da fila de espera resulta na elevação do índice de mortes porque essas pessoas não estão recebendo assistência necessária”, alertou o infectologista Martoni Silva.

Como resultado, todas as regiões de Santa Catarina voltaram ao nível gravíssimo (vermelho) na última atualização do mapa de risco, divulgado no último sábado (12).

+

Saúde

Loading...