SC retoma vacinação contra a Covid-19 em gestantes, puérperas sem comorbidade e lactantes

Suspensão da imunização destes grupos ocorreu após morte de uma paciente, vacinada com a AstraZeneca, por causa de um AVC hemorrágico

Santa Catarina retoma a vacinação contra a Covid-19 em gestantes e puérperas (mães até 45 dias após o parte) sem comorbidades, após mais de um mês de paralisação.

SC retoma vacinação de gestantes, puérperas sem comorbidade e lactantes – Foto: Freepik/Divulgação/NDSC retoma vacinação de gestantes, puérperas sem comorbidade e lactantes – Foto: Freepik/Divulgação/ND

A Lei que inclui lactantes no grupo prioritário da vacinação contra a Covid-19 em Santa Catarina foi sancionada pelo governador Carlos Moisés na última quinta-feira (17).

A decisão foi baseada em um parecer elaborado pelo Grupo Técnico Assessor das Ações de Imunização da Secretaria de Saúde de Santa Catarina. Na ocasião, os médicos da Dive/SC (Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina) e do DAPS (Diretoria de Atenção Primária à Saúde) avaliaram como benéfica a vacinação deste público.

Vale ressaltar que gestantes, puérperas e lactantes precisam da prescrição médica para vacinação contra a Covid-19. A Dive/SC alerta que o profissional deve avaliar se é adequado a mulher receber a vacinação, no momento. Está liberado a vacina da Pfizer e a Coronavac para estes grupos.

“Neste momento, avaliando os dados epidemiológicos deste público, vimos que o número de óbitos de gestantes e puérperas e também daquelas que estão apresentando casos graves da doença é muito mais significativo do que o número de gestantes documentadas com algum evento adverso grave pós-vacinação”, esclarece Patrícia Vanny, médica infectologista da Dive.

Assim como já ocorre com as gestantes e puérperas com comorbidades, as sem comorbidades também só poderão ser vacinadas com doses das vacinas dos laboratórios Sinovac/Butantan e Pfizer.

Este público deve comprovar a condição, por meio de relatório médico, carteira de acompanhamento da gestante/pré-natal, declaração de nascimento da criança ou certidão de nascimento.

Assim como a vacina contra a Covid-19 deverá ser prescrita pelo médico que acompanha a mulher, após análise conjunta da avaliação de riscos e benefícios do uso da vacina.

Vacinação de lactantes

Segundo a Dive/SC, a vacinação das lactantes, mulheres em fase de amamentação, maiores de 18 anos, também poderá ser iniciada em todos os municípios catarinenses, a partir do recebimento de nova remessa de doses.

É necessário a prescrição ou declaração médica que ateste a condição, além de documentos de identidade com foto e/ou cartão SUS (Sistema Único de Saúde).

A ordem de vacinação das lactantes dependerá do quantitativo de doses recebidas e deve seguir a seguinte data:

  • 19 de junho: Lactantes que amamentam crianças com até seis meses de idade;
  • 26 de junho: Lactantes que amamentam crianças entre seis meses até um ano de idade
  • 3 de julho: Mulheres que amamentam crianças um e dois anos de idade;
  • 10 de julho: Mulheres que amamentam crianças maiores de dois anos de idade.

Relembre a suspensão

Uma gestante que recebe a dose da AstraZeneca morreu após um AVC (Acidente Vascular Cerebral) hemorrágico. Embora não houvesse uma confirmação a respeito da relação da vacina com a morte, o Ministério da Saúde suspendeu a vacinação no grupo no dia 11 de maio.

Já no dia 12, a SES (Secretaria de Estado da Saúde) anunciou a retomada da vacinação contra a Covid-19 de gestantes e puérperas com comorbidades.

Recebimento de novas doses

Santa Catarina recebeu na manhã desta sexta-feira (18), duas remessas de doses da vacina contra a Covid-19, totalizando 153.810 doses do imunizante.

São 85.410 do laboratório Pfizer e 68.400 do laboratório Sinovac/Butantan. Com mais esses dois lotes, o estado já recebeu um total de 3.825.750 doses desde o início da Campanha de Vacinação contra a Covid-19.

+

Saúde

Loading...