SC Saúde apoia a campanha Setembro Amarelo

O plano de saúde destaca a importância de priorizar a saúde mental

Plano destaca a importância de priorizar a saúde mental – Foto: Reprodução – SC Saúde

O SC Saúde, todos os anos, vem realizando atividades diferenciadas dentro da temática do Setembro Amarelo.

Em 2019, foram promovidas palestras nos Tribunais de Justiça em todo Estado, realizando intervenções breves em todos os setores com enfoque no despertar para a necessidade do cuidar da saúde mental, quebrando tabus e paradigmas em relação a esse tema. Houve a disponibilização de canal de comunicação ativo durante o mês de setembro, que atuou com orientações e dicas sobre saúde mental.

No último ano, mais de mil segurados receberam informações via campanha. Neste ano, o SC Saúde promove uma série de webinars sobre a importância de cuidar da saúde mental.

Serão três encontros virtuais, realizados nos dias 09, 16 e 23 de setembro, com a presença da psiquiatra Neusa Rodrigues Sergio e da psicóloga Helen Heimfarth.  Os segurados SC Saúde podem se inscrever nos eventos pelo site: http://scsaude.sea.sc.gov.br/.

Sobre o Setembro Amarelo

Desde 2014, a Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP, em parceria com o Conselho Federal de Medicina – CFM, organiza nacionalmente o Setembro Amarelo.

Dia 10 de setembro é o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. A campanha, ano a ano, vem ganhando maior adesão entre profissionais de saúde e comunidade. Apesar desta forte iniciativa, o suicídio ainda encontra barreiras, já que ainda é visto com desconforto e como um tabu.

A psicóloga do SC Saúde, Helen Heimfarth, explica que o suicídio é um fenômeno complexo e multifatorial, que merece um olhar mais atento das pessoas.

“No Brasil, 51% dos casos de suicídio acontecem em casa. Medo, isolamento, solidão, desesperança, acesso reduzido a suporte comunitário e religioso, dificuldade de acesso ao tratamento de saúde mental, doenças e problemas de saúde, suicídios de familiares ou conhecidos podem ser considerados fatores predisponentes para o comportamento suicida”, explica a psicóloga.

Alerta a profissional que atos como auto agressões, ideação, ameaças, tentativas de suicídio são fatores que anunciam que a pessoa precisa de ajuda imediata e, em tempos de pandemia, onde muitos desses fatores se agravam, os números aumentam.

Entre os fatores que fazem com que as incidências de suicídio aumentem durante a pandemia estão:

  • O medo da contaminação e complicações pela infecção por coronavírus;
  • Perda de emprego e salários reduzidos;
  • Mudança no formato de trabalho (muitos em home office ou com quadros reduzidos);
  • Incerteza de quando essa situação delicada de pandemia e quarentena chegará ao fim.

“É preciso desmistificar o tema, quebrar o tabu e falar abertamente em casa, roda de amigos, no trabalho. Falar sobre o suicídio pode salvar vidas, ao contrário do nosso silêncio”, ressalta a psicóloga Helen Heimfarth .

​Fique atento aos sinais:

  • Isolamento e sentimento de solidão;
  • Sentimento de desamparo e desesperança;
  • Autodesvalorização (“ninguém sentirá minha falta”, “seria melhor se estivesse morto”, “as pessoas seriam mais felizes sem mim, sou um peso para os outros”);
  • Presença de casos de suicídio na família ou de pessoas próximas, além de problemas de relacionamento e financeiros.

Tudo bem não estar tudo bem. Veja dicas da psicóloga

  • É totalmente normal não se sentir 100% todo o tempo. Pode não estar tudo bem agora, mas vai ficar! Lembre-se: ninguém é feliz o tempo todo! Felicidade é um conjunto de momentos prazerosos, alegres e satisfatórios.
  • Que tal exercitar a felicidade? Dedicar momentos para você mesmo podem contribuir para os momentos de felicidade: pratique atividades físicas (agora, em momento de isolamento social, pode ser dançar no meio da sala), yoga, relaxamento, ler aquele livro que você comprou e está até agora te esperando na estante, uma conversa com um amigo especial são atividades de você para você, que podem ser cruciais na manutenção da qualidade da sua saúde emocional.
  • Caso esteja passando por um momento difícil, procure ajuda de um profissional especializado! Pedir ajuda não é sinal de fraqueza, ao contrário! É preciso força pra se reconhecer e entender que chegou o momento de mudar.

“Se permita a mudança!  Não se cale! Falar ajuda. Falar cura!  As pessoas não desejam morrer, o que elas procuram é matar a sua dor”, conclui Helen Heimfarth.

Serviço: Webinar Setembro Amarelo

Quando: 09, 16 e 23/09
Horário: 18h30 às 19h30
Inscrições: http://scsaude.sea.sc.gov.br/

Tem alguma dúvida sobre esse tema?

Você sabia que o SC Saúde dispõe de um canal aberto para tirar dúvidas, sugestões e apoio sobre saúde emocional?

Nos envie um e-mail com sua dúvida: medicinapreventivascsaude@qualirede.com.br

+

Saúde é tudo