Senador diz que governo Bolsonaro deixou 53 e-mails da Pfizer sem resposta

Randolfe Rodrigues disse, em sua conta no Twitter, que a informação faz parte das investigações feitas pela CPI da Covid no Senado, da qual é vice-presidente

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou na manhã desta sexta-feira (4), que, ao todo, a gestão Jair Bolsonaro (sem partido) deixou de responder 53 e-mails da farmacêutica Pfizer enviados para pedir um posicionamento sobre a compra de vacinas para a Covid-19.

Governo Bolsonaro deixou 53 e-mails da Pfizer sem resposta, diz Randolfe – Foto: Edilson Rodrigues/Agência SenadoGoverno Bolsonaro deixou 53 e-mails da Pfizer sem resposta, diz Randolfe – Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Randolfe disse, em sua conta no Twitter, que a informação faz parte das investigações feitas pela CPI da Covid no Senado, da qual é vice-presidente.

Em uma sequência de mensagens, o senador afirmou que a “omissão na aquisição de vacinas da Pfizer acontecia ao mesmo tempo que o nosso Itamaraty pressionava a Índia para liberar cargas de hidroxicloroquina a uma empresa brasileira” e classificou a ação do Ministério das Relações Exteriores no caso como “advocacia administrativa” – patrocinar interesse privado por meio da administração pública, crime previsto no Código Penal.

“O último, datado de 2 de dezembro de 2020, é um e-mail desesperador da Pfizer pedindo algum tipo de informação porque eles queriam fornecer vacinas ao Brasil”, escreveu o senador.

O presidente da Pfizer para a América Latina, Carlos Murillo, ex-presidente da empresa no Brasil, que esteve na CPI da Covid há duas semanas, havia informado aos senadores que entregaria toda a sequência cronológica de tentativas de negociação da farmacêutica com o governo federal no ano passado, enquanto a vacina era produzida.

Durante o depoimento, ele citou nove tentativas de contato, que não tiveram resposta – nem negativa nem positiva.

Vacinas

Na ocasião, o senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da comissão, chegou a dizer que ao menos mais 4 milhões de doses da vacina teriam chegado neste semestre caso um acordo tivesse sido fechado no momento em que a empresa fez a primeira oferta, em agosto do ano passado.

O Estadão procurou o Ministério da Saúde e o gabinete da Presidência para questioná-los sobre as informações publicadas por Randolfe, mas nenhum dos órgãos respondeu.

+

Saúde