Sobe para 12 as regiões de Santa Catarina em nível gravíssimo

A mudança no panorama pode mudar algumas medidas regionalizadas, como o transporte coletivo, o uso de espaços públicos e privados

O Governo do Estado ampliou novamente para 12 o número de regiões de Santa Catarina que encontram-se no risco mais alto em relação à pandemia. A partir desta quarta-feira (12), cinco regiões foram reclassificadas do risco grave para gravíssimo (Alto Uruguai Catarinense, Grande Florianópolis, Laguna, Serra Catarinense e Xanxerê), e ao total são 12 das 16 com esta classificação.

Outra região classificada com nível gravíssimo na semana anterior foi alterada para grave com nota 3,0, ou seja, ainda muito próxima do nível gravíssimo (Médio Vale do Itajaí). Extremo Oeste, Oeste e Planalto Norte permanecem classificadas como grave.

Sobe para 12 as regiões de Santa Catarina em nível gravíssimo – Foto: Jonathan Batista/divulgação NDApós a atualização, o governo do Estado ainda não divulgou que medidas devem ser tomadas para estas regiões, sejam para relaxamento ou restrições.

Porém, algumas regiões que tiveram o panorama alterado na semana passada reduziram as restrições e agora encontra-se em estado gravíssimo.

A Grande Florianópolis, por exemplo, retomou o transporte coletivo, assim como algumas cidades do Oeste, que vive uma situação mais heterogênea.

Já o Planalto Norte, teve o nível abaixado na semana passada mas não relaxou as medidas, e ficou de fora do aumento do risco nessa atualização. A região manteve suspenso o transporte público.

Mudança na classificação deve alterar rotina da população

A mudança no panorama pode mudar algumas medidas regionalizadas, como o transporte coletivo, o uso de espaços públicos e o funcionamento de espaços privados com circulação pública – como é o caso de shoppings, restaurantes e bares.

Segundo o presidente do COSEMS/SC (Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Santa Cataria), Alexandre Fagundes, não há previsão de novas medidas, mas há informações de que a pasta estadual deve trabalhar em um novo decreto e publicá-lo até sexta-feira (14).

Não há informações sobre especificidades das possíveis restrições, e as secretarias municipais irão aguardar um posicionamento do Governo do Estado para poder tomar as devidas medidas.

Indicadores para classificação de risco

A plataforma do Estado considera oito indicadores e quatro dimensões de prioridade: isolamento social; investigação, testagem e isolamento de casos; reorganização de fluxos assistenciais; e ampliação de leitos.

Cada um destes indicadores recebe uma pontuação, que levam à média de cada região. É com base nessa média que a região é classificada em nível moderado (indicado pela cor azul), alto (amarelo), grave (laranja) ou gravíssimo (vermelho).

Mapeamento de indicadores por região – Foto: Divulgação/Governo do Estado de Santa Catarina

+

Saúde