Vacina da Covid-19: Janssen deve apresentar resultados à Anvisa em janeiro

Imunizante da farmacêutica belga apresenta eficácia acima de 95% e está inclusa no plano nacional de vacinação, em conjunto com imunizantes da Pfizer, Covax Facilities e Oxford

Em reunião sobre a vacina com o secretário de saúde de Santa Catarina, André Motta Ribeiro, os representantes da farmacêutica Janssen afirmaram que devem repassar resultados da fase três dos testes ainda em janeiro para a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

A reunião desta quarta-feira (23) não firmou parcerias concretas, mas discutiu possibilidade de parcerias futuras para produzir o imunizante em Santa Catarina.  Foram identificados números acima de 95% na eficácia da vacina.

Vacina da Janssen tem eficácia acima de 95% – Foto: Divulgação/Lisa Ferdinando/Office of the Secretary of Defense/NDVacina da Janssen tem eficácia acima de 95% – Foto: Divulgação/Lisa Ferdinando/Office of the Secretary of Defense/ND

Contudo, o plano de Santa Catarina é alinhado ao do Governo Federal, e a Janssen, que é subsidiária da Johnson & Johnson, deve negociar diretamente com o Planalto.

O Plano atual do Governo Federal inclui 38 milhões de doses da vacina, além de 70 milhões de doses da Pfizer, 42,5 milhões da Covax Facilities, além das 210 milhões da AstraZeneca/Oxford.

O tempo de produção e de distribuição, contudo, varia de imunizante para imunizante, mas a singularidade da Janssen é que a mesma necessita de somente uma dose para cada paciente.

A pasta da saúde estadual também já havia dialogado com outros representantes nas últimas semanas, incluindo a da chinesa Sinovac Biotech, produtora da Coronavac.

“Foi um encontro bastante produtivo com os representantes da Janssen, assim como havia sido também com a Sinovac e a Moderna. Ressaltamos o interesse de estabelecer parcerias futuras, no intuito de modernizar a saúde de Santa Catarina. A empresa nos relatou que está negociando apenas com os governos federais em todo o mundo e estamos confiantes de que essa parceria também se concretizará no Brasil”, afirma o secretário Motta Ribeiro.

Os encontros anteriores foram feitos na segunda (14), e ainda dependiam do aguardo da aprovação do imunizante chinês pela Anvisa, o que está em discussão nesta quarta (23) com o Instituto Butantan.

Não foi divulgada eficácia exata, mas o imunizante passou dos 50% exigidos pela Anvisa e pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

“Atingimos a superioridade da eficácia da vacina no Instituto Butantan. Conseguimos os índices exigidos tanto pela Anvisa quanto pela OMS nos estudos da fase 3. Isso permitirá com que evitemos a morte de milhares de pessoas, não só aqui no nosso país mas em todo o mundo”, disse, em coletiva, o secretário de estado de Saúde de SP, Jean Gorinchteyn.

+

Saúde