Variantes da Covid-19 serão identificadas por letras do alfabeto grego, diz OMS

Objetivo da entidade é evitar estigmas e discriminação des países onde as cepas foram designadas pela primeira vez

Os SARS-CoV-2, causadores da Covid-19, assim como outros vírus, passam por muitas modificações. As variantes mais preocupantes do novo coronavírus são quatro: britânica, sul-africana, amazônica e indiana.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) decidiu utilizar letras do alfabeto grego para identificar cada uma das variantes. O objetivo da entidade é evitar estigmas e discriminação dos países onde as cepas foram identificadas pela primeira vez.

Identificação de cepas de vírus – Foto: Divulgação OMSIdentificação de cepas de vírus – Foto: Divulgação OMS

A partir de agora, as variantes serão Alfa (Reino Unido), Beta (África do Sul), Gama (Brasil) e Delta (Índia). Os nomes foram escolhidos também para refletir ordem de descoberta dos novos vírus. Caso novas variantes surgirem, seguirão o padrão do alfabeto grego.

A OMS disse que os rótulos não substituem nomes científicos que envolvem números, letras e pontos finais. Já que elas transmitem informações científicas importantes e continuarão a ser usados ​​em pesquisas.

“Embora tenham vantagens, esses nomes científicos podem ser difíceis de dizer e lembrar e estão sujeitos a relatórios incorretos. Como resultado, as pessoas recorrem a chamar as variantes pelos locais onde são detectadas, o que é estigmatizante e discriminatório. Para evitar isso e simplificar as comunicações públicas, a OMS incentiva as autoridades nacionais, meios de comunicação e outros a adotarem esses novos rótulos”, informou a organização no comunicado oficial.

Os cientistas ainda temem que esses apelidos imprecisos e estigmatizantes, possam punir os países por investirem no sequenciamento do genoma, necessário para soar um alarme sobre novas mutações que podem ter surgido em outro lugar.

+

Saúde