Veja o que muda nas regras do comércio após novo decreto em SC

Shoppings, centros comerciais e comércio de rua em geral seguem as regras já definidas na Portaria SES nº 84, de 29 de janeiro de 2021

O novo decreto do governo de Santa Catarina, válido até 17 de maio,  atualiza as medidas restritivas para funcionamento de diversos setores,  incluindo o comércio.

Apesar de algumas mudanças, ainda é necessário o uso de máscaras, a disponibilização de álcool em gel e o distanciamento de 1,5 metro entre os clientes.

Confira o decreto válido para shoppings, centros comerciais e comércio de rua – Foto: Flávio Tin/NDConfira o decreto válido para shoppings, centros comerciais e comércio de rua – Foto: Flávio Tin/ND

No caso de shoppings, centros comerciais e comércio de rua em geral o regramento continua sendo definido pela Portaria SES nº 84, de 29 de janeiro de 2021. O documento define o horário de funcionamento das 6h às 22h.

O acesso de público nesses locais deve seguir a avaliação de risco potencial. Para regiões que estão em potencial gravíssimo para Covid-19 (cor vermelha) – fica limitado a 50% de sua capacidade.

Para as regiões em estado grave (cor laranja) – limitado a 75% de sua capacidade. E, para potencial alto e moderado (cores amarela e azul) – autorizado 100% da capacidade, respeitando o distanciamento de 1,5 metro.

Os locais devem disponibilizar aos clientes álcool 70% para higienizar as mãos, bem como manter um funcionário em tempo integral para orientar os clientes sobre o uso obrigatório de máscara e limpeza das mãos.

Também devem estar bem arejados e, conforme artigo 4 do decreto, fica proibido o uso de bebedouros de água com jato inclinado.

A limpeza nesses locais deve ser intensificada com desinfetantes e álcool 70%, incluindo maçanetas, mesas, balcões, corrimãos, interruptores, elevadores, lavatório, sanitários, entre outros.

Comércio em geral

Em estabelecimentos que vendem produtos de beleza e cosméticos, fica proibido o mostruário disposto ao cliente para prova, como batons, perfumes, bases, pós, sombras, cremes hidratantes, entre outros.

Já para os locais que vendem roupas, é necessário haver cartazes nos provadores orientando sobre o uso da máscara durante toda a prova de roupas, além de disponibilizar álcool 70%. O acesso aos provadores precisam ter controle para evitar aglomeração e garantir que o distanciamento de 1,5 metro seja respeitado.

Para provar roupas em lojas é necessário seguir as regras conforme decreto – Foto: Ricardo Wolffenbüttel/Secom/NDPara provar roupas em lojas é necessário seguir as regras conforme decreto – Foto: Ricardo Wolffenbüttel/Secom/ND

Os provadores devem ser alternados (provador sim, provador não) e precisam ser desinfetados após cada uso, com especial atenção às maçanetas, cortinas e superfícies de contato.

Os clientes não podem ter acompanhantes nos provadores e deve ser evitada a entrega de placas para o cliente com o número de itens que serão provados.

Após o uso, as roupas devem ser higienizadas com passadeira a vapor ou assegurar o período mínimo de aeração de 48 a 72 horas.

Prova de calçados e acessórios

É necessário fornecer sapatilha descartável aos clientes, utilizar plástico filme ou, ainda, embalagem plástica. Os clientes devem higienizar as mãos com álcool 70% antes e após cada prova e não é permitido empréstimo de meias.

Os clientes devem estar de máscara e higienizar as mãos antes e após cada prova de bijuterias e acessórios. Não é permitida a prova de acessórios que não podem ser higienizados posteriormente.

Maquininhas de cartão

Todas as máquinas devem ser higienizadas com álcool 70% após o uso de cada cliente. Além disso, é permitido o uso de plástico filme em volta da máquina.

Uso de elevadores

A recomendação para uso dos elevadores é que preferencialmente sejam usados apenas por pessoas com dificuldades ou limitações para deslocamento. Nesse caso, um cartaz deve estar exposto na entrada do elevador contendo as orientações.

Praças de alimentação

Nas praças de alimentação, o distanciamento entre uma mesa e outra deve respeitar 1,5 metro. E em caixas eletrônicos, o álcool 70% deve ser disponibilizado ao lado das máquinas.

Cuidados com os funcionários

Já com relação aos funcionários, as medidas descritas na portaria incluem uso de máscara durante todo o tempo em que está trabalhando; disponibilização de álcool 70%; que mantenham o distanciamento e, ainda, a orientação é que não retornem para casa com as roupas de trabalho quando utilizarem uniformes.

Os trabalhadores pertencentes a grupos de risco, como pessoas acima de 60 anos, hipertensos, diabéticos, gestantes e imunodeprimidos ou portadores de doenças crônicas devem ser afastados.

E, em caso de algum trabalhador contrair a Covid-19, o mesmo deve buscar assistência médica e ser afastado do trabalho até a sua recuperação total.

+

Saúde