Bombeiros levam quase sete horas para controlar incêndio em fábrica de Criciúma

Fato aconteceu na noite de sexta-feira, no Sul de Santa Catarina. Foram mobilizados 16 bombeiros e quase 200 mil litros de água

O CBM (Corpo de Bombeiros Militar) levou quase sete horas para controlar um incêndio de grandes proporções que atingiu o pavilhão de uma fábrica de tinner localizada na rua Zulma Moraes de Oliveira, no bairro Mineiro Velha, no município de Criciúma, no Sul de Santa Catarina.

Incêndio mobilizou 16 homens do Corpo de Bombeiros Militar  de três cidades do Sul de Santa Catarina – Foto: Corpo de Bombeiros Militar/Divulgação/NDIncêndio mobilizou 16 homens do Corpo de Bombeiros Militar  de três cidades do Sul de Santa Catarina – Foto: Corpo de Bombeiros Militar/Divulgação/ND

As equipes de dos quartéis de Criciúma, Forquilhinha e Araranguá foram chamadas por volta das 21h de sexta-feira (4), mas a situação só foi controlada às 3h30 deste sábado (5).

Foram necessários 11 bombeiros militares e cinco comunitários para controlar as chamas. Eles utilizaram 196 mil litros de água para extinção do fogo e o rescaldo dos destroços, além de 1.890 mil litros de LGE (Liquido Gerador de Espuma). O sistema preventivo de incêndio de uma empresa ao lado ajudou os combatentes no controle das chamas.

Bombeiros levaram quase sete horas para controlar o fogo que atingiu um pavilhão – Foto: Corpo de Bombeiros Militar/Divulgação/NDBombeiros levaram quase sete horas para controlar o fogo que atingiu um pavilhão – Foto: Corpo de Bombeiros Militar/Divulgação/ND

Segundo o Corpo de Bombeiros Militar de Criciúma, quando às equipes chegaram no endereço, às chamas já atingiam cerca de 700 metros quadrados do pavilhão de alvenaria e matal. Nele estavam armazenados aproximadamente de 18 mil litros de solvente, que é um produto usado para dissolver tinta e é considerado altamente inflamável. 

“O acesso ao local foi realizado pelo portão principal que estava aberto, sendo necessário posteriormente cortar o cadeado do portão da edificação vizinha para acessar a lateral do imóvel”, informou o relatório dos bombeiros.

A DC (Defesa Civil Municipal) auxiliou os bombeiros com uma retroescavadeira esteira que foi utilizada na abertura de acesso para o combate no interior do pavilhão e depois o resfriamento. A Celesc (Centrais Elétricas de Santa Catarina) fez o desligamento da energia no poste para evitar outros problemas. 

“O objetivo inicial era a proteção da edificação vizinha e do pavilhão aberto com aproximadamente 60 m² próximo da edificação, localizado no mesmo pátio da empresa onde havia uma grande quantidade de madeira”, informou o boletim dos bombeiros. 

Os bombeiros não atenderam feridos no incêndio. No entanto, segundo testemunhas, um funcionário teve um ferimento no braço e foi levado para o Hospital São José, em Criciúma. 

O ND+ tentou contato com a empresa, mas não teve retorno até a publicação desta reportagem.  As causas do incêndio devem ser investigadas.

Fato chamou a atenção dos moradores vizinhos do local – Foto: Talita Grassi/Divulgação/NDTVFato chamou a atenção dos moradores vizinhos do local – Foto: Talita Grassi/Divulgação/NDTV
+

Bombeiros