Defesa Civil finaliza laudo sobre a explosão em Jurerê

Órgão concluiu laudo sobre a parte estrutural do residencial; apenas dois moradores seguem no hotel da Prefeitura, até esta quarta-feira

Na última terça-feira (1°), uma semana depois da explosão ocorrida em um imóvel residencial com 10 quitinetes, em Jurerê, Norte da Ilha, a Defesa Civil de Florianópolis, um dos órgãos que atua no caso desde o dia do acidente, finalizou o laudo referente à parte estrutural do prédio. O documento também traz orientações e lista obrigações do proprietário do residencial.

Imóvel onde ocorreu a explosão há uma semana em JurerêLocal da explosão em Jurerê uma semana depois – Foto: Defesa Civil/Divulgação/ND

A tragédia, ocorrida por volta das 8h30 do dia 25 de maio, causou a morte da diarista Helenita Pereira da Silva e tirou oito famílias de casa, deixando um rastro de destruição e prejuízos aos moradores das unidades atingidas e vizinhos.

De acordo com o diretor da Defesa Civil, Luiz Eduardo Machado, o laudo determina procedimentos a serem adotados para a remoção e estabilização das estruturas.

“Tem uma série de problemas que precisam ser contidos. Os inquilinos têm que acessar seus bens [no residencial]. Para isso, a estrutura tem que ser estabilizada. Posteriormente, se ele [o proprietário] vai recuperar ou desmanchar, é responsabilidade dele”, disse Luiz.

Ao todo, 12 pessoas, de oito famílias, foram impactadas com a explosão. Dessas, três foram instaladas pela Prefeitura em um hotel no Centro de Florianópolis.

O prazo máximo para a permanência deles, no entanto, é de 10 dias, praxe da Prefeitura nesses casos. Depois disso, o dono do imóvel ou os moradores precisam encontrar uma solução. Como eram inquilinos, eles não têm direito a aluguel social.

Morador do residencial, o cabeleireiro Alisson Natan Bastos e seu amigo Paulo, com quem dividia o apartamento, são os únicos que ainda dependem do hotel cedido pela Prefeitura. “Ninguém quis ir. Ficou só eu e o Paulo, porque realmente não tínhamos para onde ir de imediato. Eles deixaram reservado até hoje [quarta-feira, 2 de junho]”, conta Natan.

Proprietário será notificado

O proprietário do residencial Jurerê será notificado sobre o laudo da Defesa Civil. Ele também recebeu uma notificação informal. Entre as obrigações, deve contratar um profissional habilitado em edificações. Segundo Luiz, ele já escolheu um engenheiro.

Veículo danificado pela explosãoDário Magalhães teve seu carro totalmente destruído com a explosão – Foto: Leo Munhoz/ND

Além disso, terá que apresentar um plano de trabalho detalhando o que será feito no local. Não está autorizada nenhuma alteração na área até o fim da perícia dos bombeiros e a apresentação do plano de trabalho.

Os bombeiros, por sua vez, seguem trabalhando no laudo que vai confirmar se a explosão foi mesmo por vazamento de gás, conforme análises preliminares. O trabalho pode ser concluído nesta ou na próxima semana, mas o prazo legal é de 30 dias.

Machado enfatiza que o laudo finalizado ontem refere-se única e exclusivamente à parte estrutural. A derrubada ou restauração do imóvel é responsabilidade do dono, mas, lembra, o dano na parte que sobrou da edificação é substancial.

Imagem aérea da explosão em JurerêDono do residencial onde ocorreu a explosão não pode mexer na área antes da perícia dos bombeiros – Foto: Defesa Civil/Divulgação/ND

A Defesa Civil segue com as mesmas interdições no local adotadas no dia da explosão. O relatório do órgão também indica que qualquer ação empregada na área deve ser devidamente acompanhada pelo profissional habilitado.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Bombeiros