Filha tentava salvar os pais de incêndio quando os três morreram em SC

Família estava numa casa de madeira que pegou fogo em Rio do Sul; duas pessoas conseguiram escapar das chamas

A tragédia na família Rossetti completa no próximo sábado (13) uma semana. Natal, de 84 anos, Maria Girard, de 79, e a filha do casal Evanir, de 53, morreram carbonizados em um incêndio. A casa onde estavam, em Rio do Sul, pegou fogo na madrugada do dia 6 de fevereiro. Outras duas pessoas conseguiram escapar das chamas e sobreviveram.

Evanir (à direita) tentou salvar os pais (à esquerda), mas os três morreram – Foto: Reprodução/Arquivo pessoalEvanir (à direita) tentou salvar os pais (à esquerda), mas os três morreram – Foto: Reprodução/Arquivo pessoal

Ainda abalado, Nilo tenta aceitar o que aconteceu. Ele era casado com Evanir e conta que a esposa cuidava dos pais. Naquela noite, o filho deles – de 22 anos, com diagnóstico de esquizofrenia e surdez – decidiu acompanhar a mãe na casa dos avós. Foi o jovem que alertou sobre as chamas.

“Meu filho e minha esposa estavam num quarto. No outro o sogro e a sogra, e em outro minha cuinhada que é deficiente. Quando foi por volta da 1h30, meu filho acordou, se deparou com o fogo e chamou a mãe” conta o viúvo.

A família viveu momentos de horror. O jovem conseguiu sair da casa acompanhado da tia. Entretanto, a mãe dele insistiu em tentar salvar dona Maria e seu Natal, mas não conseguiu.

Incêndio destruiu a casa localizada no bairro Taboão, em Rio do Sul – Foto: CBMSC/Divulgação/NDIncêndio destruiu a casa localizada no bairro Taboão, em Rio do Sul – Foto: CBMSC/Divulgação/ND

“A Evanir foi até o quarto para salvar os pais. E na frente do quarto dos pais era a sala, que estava toda em chamas. Então ela abriu a porta para salvar os pais e o Jeferson puxava a mãe para que ela se salvasse, porque ele viu que não tinha mais o que fazer. Aí a mãe, para não deixar os pais sozinhos, entrou no quarto e não conseguiu mais sair. Tinha um banheiro de alvenaria, ela colocou os dois lá, pensando que talvez iam se salvar, mas morreram os três abraçados”, relata.

Um laudo do Corpo de Bombeiros irá apontar o que provocou o incêndio. Nesta quinta-feira (11) pela manhã o documento ainda não estava finalizado. A Polícia Civil também investiga se o incêndio teve relação criminosa. Os trabalhos da perícia devem levar cerca de 30 dias.

Pedido de ajuda

Nilo mora perto da casa onde pegou fogo. É lá que vai seguir cuidando do filho, mas agora sem a esposa. Ele não tinha um emprego fixo, pois era responsável por cuidar de Jeferson enquanto a mulher ficava na casa dos pais.

A renda da família vinha da Evanir, que recebia cerca de R$ 950 de uma irmã. Enquanto vive o luto, o viúvo se preocupa em como vai continuar cuidando do filho e sustentando a casa, pois o rapaz exige cuidados.

Quem tiver condições de ajudar de alguma a família pode entrar em contato pelo telefone 47 9 9173 5885.

Acesse e receba notícias de Blumenau e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Bombeiros