Homens representam 90% das mortes por afogamento em SC

De acordo com os bombeiros, as características desta temporada de verão foram as ocorrências em locais isolados, onde não há atuação de guarda-vidas

Quase 90% das mortes por afogamento, nesta temporada de verão, são do sexo masculino, de acordo com boletim do CBMSC (Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina), divulgado nesta terça-feira (16).

Homens representam 90% das mortes por afogamento em SCA idade média de óbitos foi de 34 anos – Foto: Ricardo Wolffenbüttel/Secom/Arquivo/ND

O último relatório da Operação Veraneio, que envolve o período de 18 de dezembro a 14 de fevereiro, mostra que os homens compreendem 25 das 28 ocorrências totais da temporada – enquanto isso, apenas três mulheres morreram por afogamento nas praias, rios e lagos catarinenses. A idade média dos óbitos foi de 34 anos.

A percepção do coronel Cesar de Assumpção, da 1ª RBM (Região de Bombeiros Militar), é de que os jovens – sobretudo do sexo masculino – têm mais dificuldade para aceitar as medidas de prevenção. O cenário se intensifica ainda quando há envolvimento de álcool, já que a bebida “tira os freios sociais, e a consequência disso é o não cumprimento das regras”, afirmou.

“Presenciei na semana passada um ‘quase afogamento’ e convidei as pessoas sentadas a assistirem ao resgate. Ele [o banhista] entrou na corrente de retorno. O guarda já tinha orientado algumas vezes. Daí, ele começou a patinar”, relata.

Embora a discrepância entre gêneros chame atenção, outro destaque do balaço é a redução em 24,32% no número de ocorrências em relação à última temporada, quando 37 banhistas morreram por afogamento.

Para os bombeiros, a diminuição se deve a um trabalho intenso de prevenção, que envolve a sinalização de correntes de retorno, uso de apitos e demais orientações aos banhistas.

Bombeiros fazem trabalho intenso de prevenção a afogamentosAtuam cerca de 1,5 mil guarda-vidas em Santa Catarina nesta temporada – Foto: Corpo de Bombeiros/Arquivo/ND

Só nesta temporada de verão, por exemplo, já foram feitas mais de 4.500 medidas de prevenção. “A gente é muito proativo na prevenção; não é um bom negócio o afogamento”, revela o coronel.

Áreas isoladas

Embora as 28 ocorrências com óbitos não se concentrem em uma região de destaque em Santa Catarina, “as características desta temporada foram os casos em local descoberto de atuação de guarda-vidas”, explica o coronel.

Bombeiros fazem trabalho intenso de prevenção a afogamentosGuarda-vidas estão atuando nos balneários durante a Operação Veraneio – Foto: Ricardo Wolffenbuttel/Arquivo/ND

De acordo com o militar, afogamentos em água doce tendem a ser mais recorrentes do que em mares. Isso porque, embora 65% do Litoral catarinense tenha atuação dos agentes, os guarda-vidas não possuem efetivo o bastante para cobrir a grande quantidade de rios e lagos do Estado.

Além disso, “o banho em água salgada, no Litoral, é muito caro”, diz o coronel, referindo-se a valores de hotelaria, alimentação e estacionamento, por exemplo.

Na Capital, contudo, o destaque está nas praias do Norte, já que a região costuma concentrar grande quantidade de banhistas no verão. “Naturalmente, os arrastamentos e, consequentemente, os afogamentos ocorrem”, explica o coronel Cesar de Assumpção. Ele pondera, no entanto, que o número ainda é sutil.

Dicas para evitar afogamentos, segundo os bombeiros

  • Ao chegar na praia procure ficar o mais próximo de um posto de Guarda-Vidas;
  • observe a bandeira do posto, sendo que: bandeira vermelha indica “alto risco”, bandeira amarela “médio risco” e bandeira verde “baixo risco”;
  • bandeira lilás indica a presença de “águas-vivas”;
  • observe também a bandeira na faixa de areia, sendo que a bandeira vermelha indica “local perigoso”, ou seja, naquele local existe um risco diferenciado (buracos, corrente de retorno, entre outros perigos);
  • ao entrar na água a referência que deve-se ter é: “água no umbigo é sinal de perigo”, pois uma pequena onda poderá fazer você perder o equilíbrio;
  • se você se encontrar em uma corrente de retorno, mantenha a calma e nade paralelo a praia. Nadar contra a correnteza somente fará com que você perca a força e fique cansado;
  • se você for entrar na água tenha alguém te observando, sempre que possível. Por mais que saiba nadar, você pode ser acometido de um mal estar ou mal súbito, podendo se afogar;
  • não ande nos costões, você pode escorregar e cair no mar;
  • se você ingeriu bebida alcoólica ou fez uma refeição recentemente, não entre na água;
  • se estiver com criança, ou pessoas com alguma vulnerabilidade, peça pulseirinhas de identificação nos postos de Guarda-Vidas;
  • se você presenciar um afogamento chame os Guarda-Vidas; ligue 193; lance algum objeto flutuante para a vítima e jamais tente nadar para salvá-la!

Acesse e receba notícias da Grande Florianópolis pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Bombeiros