Mortes por afogamento caem 24% em Santa Catarina neste verão

Foram registradas 22 ocorrências entre os dias 18 e 31 de janeiro deste ano, durante Operação Veraneio; maioria das vítimas é homem

Santa Catarina registrou diminuição de 24,14% de mortes por afogamento em relação ao mesmo período do ano passado. O índice avalia os dados de 18 a 31 de janeiro, quando iniciou a alta temporada da Operação Veraneio, conforme boletim de Corpo de Bombeiros divulgado nesta terça-feira (2).

Salva vidas de máscara e observando a movimentação na praiaMortes por afogamento diminuíram em Santa Catarina – Foto: Arquivo/Ricardo Wolffenbuttel/Divulgação/ND

A maioria das vítimas é homem, totalizando 19 das 22 ocorrências registradas nesse período. A média de idade é de 32 anos. Segundo os bombeiros, foram 13 afogamentos em água doce e nove em água salgada.

Uma das vítimas foi Soliane Luiza, de 28 anos, que morreu afogada na tarde do dia 17 de janeiro em Penha, Litoral Norte do Estado. O Corpo de Bombeiros foi acionado para atender a ocorrência na Ponta da Vigia, região rochosa localizada no final da Praia Grande.

Soliane tinha 28 anos e morreu em Penha, no Litoral Norte do Estado – Foto: Reprodução Facebook/NDSoliane tinha 28 anos e morreu em Penha, no Litoral Norte do Estado – Foto: Reprodução Facebook/ND

O helicóptero Arcanjo 03 foi acionado para ajudar no resgate.

Ao levá-la à areia, a equipe de salvamento iniciou os procedimentos para recuperação de afogados grau 6, com o apoio de um dispositivo que realiza compressões torácicas automáticas.

Após a volta dos batimentos cardíacos, a vítima foi conduzida por uma ambulância até um campo de futebol próximo à praia onde o Arcanjo 03 estava pousado e pronto para transportar a mulher ao Hospital Marieta Konder Bornhausen.

Ao chegar no local da decolagem, entretanto, o quadro de saúde da vítima piorou novamente. Ela teve nova parada cardiorrespiratória e morreu, no local, às 18h30.

Confira as dicas elaboradas para evitar afogamentos nas praias segundo o Corpo de Bombeiros:

  • Ao chegar na praia procure ficar o mais próximo de um posto de Guarda-Vidas;
  • observe a bandeira do posto, sendo que: bandeira vermelha indica “alto risco”, bandeira amarela “médio risco” e bandeira verde “baixo risco”;
  • bandeira lilás indica a presença de “águas-vivas”;
  • observe também a bandeira na faixa de areia, sendo que a bandeira vermelha indica “local perigoso”, ou seja, naquele local existe um risco diferenciado (buracos, corrente de retorno, entre outros perigos);
  • ao entrar na água a referência que deve-se ter é: “água no umbigo é sinal de perigo”, pois uma pequena onda poderá fazer você perder o equilíbrio;
  • se você se encontrar em uma corrente de retorno, mantenha a calma e nade paralelo a praia. Nadar contra a correnteza somente fará com que você perca a força e fique cansado;
  • se você for entrar na água tenha alguém te observando, sempre que possível. Por mais que saiba nadar, você pode ser acometido de um mal estar ou mal súbito, podendo se afogar;
  • não ande nos costões, você pode escorregar e cair no mar;
  • se você ingeriu bebida alcoólica ou fez uma refeição recentemente, não entre na água;
  • se estiver com criança, ou pessoas com alguma vulnerabilidade, peça pulseirinhas de identificação nos postos de Guarda-Vidas;
  • se você presenciar um afogamento chame os Guarda-Vidas; ligue 193; lance algum objeto flutuante para a vítima e jamais tente nadar para salvá-la!
+

Bombeiros