Casal traz da Europa 16 quilos de metanfetamina e é preso em hotel de Florianópolis

Eles estavam na companhia de dois patrões do tráfico da região continental

Um casal de brasileiros que vinha sendo acompanhado pela polícia desde o embarque no aeroporto de Bilbao, na Espanha, foi preso num hotel da avenida Ivo Silveira, em Florianópolis, na companhia de dois traficantes conhecidos na região continental. O casal trazia na bagagem 16 quilos de metanfetamina, o que renderia cerca de 800 mil comprimidos de ecstasy. Segundo a Polícia Federal, a droga é vendida nas baladas por R$ 30 a unidade. Esta foi a maior apreensão de metanfetamina no Brasil.

Polícia/Divulgação

Droga estava embalada em tabletes de plástico preto

Nota divulgada pela assessoria da PF de São Paulo informou que o casal passou pelos canais de inspeção “nada a declarar”, mas teve as bagagens submetidas ao raio-x no aeroporto de Guarulhos, que mostrou o transporte de substância orgânica. Confirmada a suspeita de tráfico, a polícia manteve o casal sob vigilância até Florianópolis.

Com o apoio da Polícia Militar, os agentes federais realizaram campana no hotel onde os suspeitos estavam. Além do casal foram capturados o líder do tráfico no Morro da Caixa, Rafael Rodrigues Tavares, e o “patrão” da Comunidade Ilha-Continente, Jonni Tavares. Dois adolescentes que estavam com o grupo foram apreendidos.

Os menores foram liberados na sede da Polícia Federal. Os demais foram conduzidos para a Polícia Federal de Guarulhos. A PF não revelou o nome do casal e afirmou que vai aprofundar a investigação.

A Polícia Federal acredita estar diante de uma quadrilha organizada que contrata mulas para trazer da Europa a matéria prima do ecstasy. A partir da fabricação dos comprimidos em Florianópolis, “as balinhas” seriam lançadas no comércio ilegal de festas de baladas no eixo Rio-São Paulo. 

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.

+

Segurança