Crime bárbaro em Biguaçu. Casal de idosos é morto a tiros dentro de casa

Reprodução RIC TV/ND

Hilda Bruch levou um tiro no pescoço e seu marido Eurico Eger foi alvejado quatro vezes nas costas

A comunidade do morro Bela Vista, em Biguaçu, despertou assustada na manhã de ontem com a crueldade sofrida por um casal de idosos. Os estilhaços de vidro e o sangue espalhados pela casa eram uma pequena amostra da violência que vitimou Eurico Eger, 76 anos, e a mulher Hilda Bruch, 77. Os dois foram assassinados na madrugada desta quarta-feira no quarto de casal. Eurico levou quatro tiros nas costas e morreu na hora, enquanto Hilda, com um tiro no pescoço, chegou a ser socorrida e morreu a caminho do hospital.

Depois que os suspeitos fugiram, Hilda pediu socorro na casa do vizinho Adriano Cipriano. Sangrando muito e debilitada por causa do ferimento no pescoço, a idosa apenas gesticulou com os dedos que eram dois os suspeitos. Adriano e o amigo Ricardo Euker armaram-se com dois facões e desceram o morro, mas não localizaram os assaltantes. 

De acordo com Euker, o idoso estava sentado no chão, ao lado da cama, com uma espingarda calibre 36 no colo. Pelas condições em que a vítima foi encontrada, o vizinhor acredita que ela reagiu à ação dos bandidos.

A polícia e o Samu (Serviço de Atendimento de Urgência) foram chamados, e enquanto uma viatura procurava os assaltantes a outra levava Hilda para a UPA 24 Horas de Biguaçu e em seguida para Hospital Regional de São José, onde a idosa já chegou sem vida.

O casal não tinha dinheiro guardado em casa. Os únicos objetos de valores eram eletrodomésticos e o Chevrolete MGC-7227 (Biguaçu), na garagem da casa. Nada foi mexido.

Casa foi invadida há dois meses

Eurico era pai de seis filhos. Quatro homens e duas mulheres. Um deles, Laudir, contou que o pai tinha uma pequena propriedade, onde criava cerca de 10 cabeças de gado e um carro para passear com a mãe. “Ele recebia apenas um salário mínimo e a minha mãe também tinha uma pequena aposentadoria. Tudo o que eles recebiam comprava farelo para os animais”, disse.

 De acordo com Laudir, há dois meses a casa do pai foi invadida por cinco jovens. “Quando eles entraram na cozinha meu pai acordou, acendeu a luz e os suspeitos fugiram”. Ele disse que o pai  não registrou ocorrência.

O delegado de Biguaçu Nilton César da Silva aguarda o resultado da perícia para constatar se ocorreu latrocínio (matar para roubar). “Aparentemente nada foi roubado”, contou.  Nilton disse que está investigando várias situações e revelou que há cerca de 15 dias um vizinho registrou ocorrência contra o idoso porque um boi teria fugido e danificado o carro.

 “Intimei esta pessoa para saber se Eurico era agressivo ou tranquilo”, disse o delegado, que ainda não tem pistas dos assassinos. 

+

Segurança