Delegado da Deic promete rigor contra os caixeiros em Santa Catarina

Débora Klempous/ND

William, Juliano e Giliard foram apresentados nesta terça-feira. Um integrante da quadrilha morreu e outro está hospitalizado

Durante a apresentação dos suspeitos de integrarem a quadrilha de caixeiros presa ontem, o delegado Cláudio Monteiro, diretor da Deic,  mandou um recado em voz alta e em bom tom no microfone da RIC/TV aos criminosos que migram para Santa Catarina: “Se vocês agiram aqui vão ser presos. E se partirem para o confronto serão mortos”. 

O alerta pode ser comparado ao resultado da ação policial de terça-feira que culminou com cinco prisões e um bandido morto em tiroteio. A polícia apreendeu 18 bananas de dinamite, quatro escopetas calibre 12, uma pistola .40, dinheiro roubado do caixa eletrônico do Bradesco de Luís Alves, sistemas de espoletas para detonar dinamites, binóculos infravermelho, gorro bala-clava, colete à prova de balas, luvas, meio quilo de crack, meio quilo de cocaína e  repelente para se proteger de mosquitos na mata.

Campana durou dois dias

Os agentes estavam na cola da quadrilha desde a madrugada de domingo, quanda ela fugiu para o matagal. A campana durou dois dias. Quando os bandidos deixaram o esconderijo e entraram na BR-101 foram seguidos pelos policiais que estavam em duas viaturas. Luiz Ricardo Rozine reagiu a abordagem e foi morto.

Os demais integrantes do bando não se entregaram e abriraram fogo contra os agentes. Houve novo revide e três deles foram baleados. Fernando Conceição continua internado no Hospital Marieta Konder Bornhausen, em Itajaí; Juliano Salcedo Martinez, 28 anos, que já tinha mandado de prisão por tráfico de drogas;  Wiliam Gabriel de Oliveira, 23; e Giliardi Fernandes,  21, foram transferidos para a Deic. 

Acesse e receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Segurança