Operação Anjo: Fabrício Queiroz é preso nesta quinta-feira em São Paulo

Ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro estava em Atibaia, no interior do Estado; os dois são investigados em esquema de "rachadinha"

O ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) Fabrício Queiroz foi preso nesta quinta-feira (18) em Atibaia, no interior de São Paulo. Ele não resistiu à prisão e estava dormindo no momento da chegada da polícia. Fabricio foi encaminhado, em comboio, para o IML, conforme praxe, para exame de corpo de delito.

Em seguida, ele foi encaminhado ao Palácio da Polícia, no Centro de São Paulo, sede da instituição. A casa em que Fabricio Queiroz foi preso seria de Frederick Wassef, de acordo com informações da CNN.

Queiroz é suspeito de “rachadinha” – Foto: Reprodução/Instagram/NDQueiroz é suspeito de “rachadinha” – Foto: Reprodução/Instagram/ND

De acordo com o delegado Nico Gonçalves, da Polícia Civil de São Paulo, que coordenou a Operação Anjo na manhã desta quinta-feira (18), em São Paulo, Fabricio Queiroz não resistiu à prisão. Ao contrário, segundo o policial, o ex-assessor do senador Flavio Bolsonaro disse estar fragilizado, com problemas de saúde.

Investigação

Flávio e Queiroz são investigados por suposta organização de um esquema de “rachadinha” no gabinete do parlamentar na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, ou seja, desvio de salários de com base em acordo pré-estabelecido pelos envolvidos.

A Promotoria identificou que Queiroz recebeu R$ 2 milhões por meio de 483 depósitos de dinheiro em espécie feitos por 13 assessores ligados ao gabinete do filho do presidente da República.

Leia também:

A investigação começou depois de o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) identificar movimentações bancárias atípicas no nome de Queiroz.

O Conselho identificou movimentação de R$ 1,2 milhão em uma conta no nome de Queiroz, entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017. O documento também cita um repasse de R$ 24 mil para a futura primeira-dama Michelle Bolsonaro — o presidente Jair Bolsonaro disse, na época, que se tratava do pagamento de uma dívida antiga do policial militar com ele.

R7 tentou contato com a defesa de Flávio Bolsonaro, mas não obteve resposta.

06 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
  • Cidadão Preocupado
    Cidadão Preocupado
    Amigo Hito (do comentário acima), se você soubesse quantos nomes têm na lista..... O COAF recebe diariamente relatórios de transações suspeitas (e não é só de dinheiro), mas, infelizmente, não possui efetivo para analisar os relatórios. Sendo assim, somente alguns poucos são encaminhados para a Polícia Federal (quando a PF solicita), ou quando alguma Polícia Civil solicita. Mas mesmo que o COAF tivesse efetivo suficiente para analisar os relatórios e fizesse o encaminhamento de todos eles para a PF ou as PC, esbarraria na seguinte questão: a própria PF ou as PC não têm efetivo para investigar todos. E ficamos nessa... quando a mídia fica batendo em alguém e cobrando das autoridades, temos talvez alguma investigação. No mais, diariamente, crimes financeiros são cometidos em demasia e nada é feito. Abraço.
  • Hito
    Hito
    Cadê os outros da lista do COAF? Tem mais de vinte com mais de 2 milhões nesta lista. LIXO de justiça.
  • Cardoso
    Cardoso
    Foi preso em Atibaia? Eu sabia que tinha o dedo do Lula nisso aí Taokei!
    • henrique
      henrique
      kkkkkkk, temos que levar o Brasil no bom humor, ou piramos

+ Segurança