jovem é morto porque urinava na rua

Terça e quarta foram dias negros na região: três jovem executados com 54 tiros; bandidos invadem casas e fazem reféns, e mais nove assaltos

Vingança
A semana foi violenta na região. Jovem assassinado porque estava urinando no meio da rua, pessoas fuzilada pelas costas, casa de trabalhador invadida por covardes armados de pistolas que levam tudo o que podem e ainda saem rindo das vítimas amarradas, motoristas atacados a faca embaixo de sinaleiras, carros luxuosos tomados de assalto, pedestres ameaçados na rua com revólver na cabeça… Mas enfim, que aconteceu com a segurança pública entre terça e quarta-feira? Os casos mais brutais não ocorreram por falta de policiamento. Foi pela obsessão e pela vingança. Como o triplo homicídio numa área rural de São José, onde os matadores usaram submetralhadora para crivar de bala três jovens. Foram 54 tiros. Um crime sem precedente, nunca visto na região. Na chacina da Mariquinha, há oito anos, na Capital, as quatro vítimas não foram atingidas  com tantos tiros assim. A resposta para o fuzilamento em São José pode estar em apenas uma palavra: VINGANÇA.

Estagiário de ladrão
O estagiário de ladrão Diego se atrapalhou numa ação alheia e despencou da laje da associação de moradores na Fazenda Santo Antônio, em São José. A arma, uma pistola 7.65mm, também escorregou da mão e caiu na rua, ao lado de um morador que não teve dificuldades de deter o suspeito que se queixava de dor nas cadeiras por causa do tombo. Antes de ir para o xilindró, onde deve aprender ser mais esperto, o istepô passou por uma avaliação médica.  

Feirinha de drogas
Um garoto de 15 anos que fazia a ferinha de drogas durante a madrugada na Servidão Isidoro Veríssimo, bairro Potecas, São José, foi tirado de circulação por PMs do 7º BPM. Com o garoto foi apreendido 32 pedras de crack, 23 petecas de cocaína e 40 tabletes de maconha, além de R$ 103, em notas de dois, cinco e dez reais. O adolescente foi levado à delegacia de menores, mas os PMS sabem que ele será liberado e vai voltar a vender as mesmas drogas no mesmo local.

Furto
Ladrões invadiram uma loja na rua Alves de Brito, Centro de Florianópolis e levaram 40 camisas, máquina fotográfica, calçados e bermudas. O viga de um prédio ao lado, telefonou para o dono da loja, Victor Moraes, que veio conferir o prejuízo. O vigilante contou que avistou um suspeito alto, saindo da loja. Toda a ação foi filmada pelas câmeras de vigilância da rua.

Olho de lince
Aos “olhos de lince” do PM Amarildo não passa ladrão despercebido. O tira tem um feeling apurado, tanto que abordou um sujeito que caminhava de madrugada pelo centro histórico da cidade. Nos bolsos do fio desencapado havia três anéis e uma pulseira, furtados. Depois de levar uma dura do PM, o suspeito informou a loja, onde ele praticou furto. O soldado foi com ele no local e encontrou o estabelecimento comercial todo bagunçado, com várias joias espalhadas pelo chão.

Médica culpada
O Tribunal de Justiça confirmou a obrigação da médica Clarissa Santos da Silveira Lima e do Hospital e Maternidade Marieta Konder Bornhausen, de Itajaí, em indenizar a família de Hans Dieter Wallot no valor de R$ 50 mil, por danos morais.  Ele morreu em janeiro de 2005, vítima de infarto, na ambulância a caminho de outro hospital, após ter o atendimento de emergência negado por Clarissa, por não haver UTI disponível.

Frase:
“Quando uma investigação está parada por causa do delegado é ruim. Mas quando para por envolvimento de terceiros, não resta muito que fazer”.