Médica perde R$ 240 mil em site de leilões falso após tentar comprar carro e lancha

Camila Costa conta que descobriu o site "Leilão Oficial Rio Grande do Norte" através de um grupo de amigos em uma rede social

Uma médica, identificada como Camila Costa, perdeu R$ 240 mil após sofrer um golpe em um site falso de leilões. A profissional de saúde denunciou a ocorrência às autoridades após tentar comprar um carro e uma lancha.

Site usa brasão oficial do Estado e copia elementos gráficos do site do governo estadual – Foto: Reprodução/NDSite usa brasão oficial do Estado e copia elementos gráficos do site do governo estadual – Foto: Reprodução/ND

Camila contou que descobriu o site “Leilão Oficial Rio Grande do Norte” através de um grupo de amigos em uma rede social. Ela se interessou por uma lancha avaliada em mais de R$ 150 mil, mas cujo lance inicial era de R$ 30 mil.

“Eu estava querendo trocar meu carro e tinha um lá que estava com um preço com mais de 80% de desconto”, disse a médica, que chegou a desconfiar do site, mas achou que fosse um bom negócio.

Camila realizou cinco operações de TED para transferir o valor de R$ 240 mil para cinco contas diferentes. Quando foi resgatar os prêmios, a médica percebeu que havia caído em um golpe.

“Eu e meu marido chegamos de Uber pensando em voltar dirigindo os carros. Não tinha ninguém no galpão. Encontramos só um senhor e eu perguntei se ele tinha ido pegar o lote do leilão. Ele falou: ‘Já vieram outras pessoas aqui, mas é um golpe. Aqui funciona o depósito de uma metalúrgica’”, relatou.

O delegado titular da Delegacia de defraudações, Marcuse Cabral, informou que a página falsa usa a imagem do brasão do estado, além de tentar copiar elementos gráficos do site do governo estadual.

“Já foram feitas diligências no endereço físico desse leilão e constatamos que não existe. A Polícia Civil também solicitou via e-mail a suspensão desse site junto à empresa norte-americana que o hospeda, informando que através dele estão sendo cometidos crimes. Tudo isso foi feito e encaminhado para autoridade da Polícia Civil de São Paulo pra que seja juntado ao inquérito policial”, explicou Cabral.

+

Segurança