Pedro de Queiroz

Direitos do consumidor e cidadania para o dia a dia das pessoas.


O excesso de militância dolosa sobre pautas relevantes

O mais grave é que o exemplo de respeito à mulher, aos empregados e aos consumidores deveria ser dado pela própria empresa!

Que todas as minorias, causas legítimas e pautas relevantes devem ser defendidas, por toda sociedade organizada, não há sombra de dúvidas. Mas, obter, para si ou para outro, vantagem ilícita, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil ou qualquer outro meio fraudulento, ainda é estelionato.

A troca de mensagens ocorreu em aplicativo de conversa. – Foto: Reprodução/NDA troca de mensagens ocorreu em aplicativo de conversa. – Foto: Reprodução/ND

E, portanto, usar dessas causas legítimas para fins de autopromoção e obtenção de lucro, ignorando, ou mesmo violando a bandeira supostamente defendida, é crime e merece repúdio judiciário e social. Tomemos os casos de assédio sexual. Não há causa mais justa e atual.

Nesta semana, uma das maiores instituições financeiras do país, que recentemente substituiu o atendimento pessoal ao consumidor por um bot, ou seja, uma voz de inteligência artificial e, portanto, não humana, saiu em defesa das milhões de mulheres vítimas de assédio sexual, dizendo que até mesmo a voz artificial estaria “sofrendo” assédio.

Segundo o banco, em 2020 ela teria recebido mais de 95 mil mensagens ofensivas e de cunho sexual, constrangendo-a. Submeter um consumidor de serviço bancário deficiente, por mais das vezes por decorrência de cobrança indevida, dirigindo-o à automação e impedindo-o do exercício de seus direitos do consumidor, dentre os quais de falar – em tempo razoável com um empregado “real” de “carne e osso”, ou simplesmente, humano, por si só já é desrespeitoso.

Mas se promover diante de tema tão sério e sensível, num país em que a cada três minutos uma mulher é vítima de feminicídio, é o cúmulo da falta de respeito! Como ousam comparar mulheres e assédios reais com mensagens de insatisfação pela prestação anômala de um serviço de bot?

Como podem ignorar que essa espécie de atendimento é uma das líderes de reclamações de insatisfação em sites especializados? Não por outras razões, a referida “propaganda” tem no youtube mais deslikes do que likes.

O mais grave é que o exemplo de respeito à mulher, aos empregados e aos consumidores deveria ser dado pela própria empresa! Como se não bastasse violar dispositivos constitucionais e o Código de Defesa do Consumidor, além de figurar entre as maiores litigantes judiciais do país e do mundo, especificamente sobre o tema de assédio, a referida empresa foi condenada a pagar uma das maiores indenizações da história do Brasil: R$ 1,3 milhão por assédio moral a um único funcionário!

Para além de tremenda hipocrisia, o golpe publicitário traz atenção para a necessidade de criminalizar e punir com maior rigor abusos nos chamados “excesso de militância” e a tentativa de obtenção de lucro ou de qualquer vantagem incompatível com a causa simulada, o chamado hype sobre pautas relevantes, em especial, porquanto, para além de tudo retiram o foco das verdadeiras demandas de pessoas “reais”, com problemas “reais” e vítimas “reais”.

Com todo respeito, esse bot e seu “dono” que vão… pro banco dos réus e que paguem civil e criminalmente por tamanho desrespeito e prática ilícita! #respeito #estelionato #hype #lacrou

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.