Ocorrências de farra do boi em SC reacendem discussão sobre a prática

Em 2021, três casos foram registrados pela Polícia Militar, dois em Florianópolis, um em Bombinhas; participantes podem pagar R$ 10 mil de multa

Durante os dias que antecedem a Páscoa, o noticiário em Santa Catarina registra ocorrências que alguns chamam de festa, mas que é crime, desde 1998. Segundo a assessoria de comunicação da PMSC (Polícia Militar de Santa Catarina), os três primeiros casos de farra do boi em 2021 foram identificados no último final de semana, dias 27 e 28 de março.

Embora contestada por ativistas da causa animal, a farra do boi continua ocorrendo nas cidades litorâneas de Santa Catarina. No entanto, está fadada ao esquecimento, ao menos na avaliação de um pesquisador do tema.

Na visão de Eugênio Pascele Lacerda, a maior derrota dos farristas ocorreu quando o município de Governador Celso Ramos, na Grande Florianópolis, tentou transformar a farra do boi em evento com protocolo, o que não ocorreu.

Captura do animal após farra do boi em Bombinhas deu bastante trabalho à PMSC – Foto: Divulgação/PMSC/NDCaptura do animal após farra do boi em Bombinhas deu bastante trabalho à PMSC – Foto: Divulgação/PMSC/ND

Pascele é autor do livro “Bom para brincar, bom para comer: a polêmica da farra do boi no Brasil”, publicado pela editora UFSC, em 2003.

A obra é um relato etnográfico, com foco no município de Bombinhas, também no Litoral, e explica as razões da festa, o modus operandi. Segundo o pesquisador, não foi detectada nenhuma programação prévia para tortura de animal.

“Eu respeito a tradição, não demonizo e falo com conhecimento de causa. Mas acho que eles [os farristas] perderam a guerra cultural para eles próprios. Houve uma oportunidade de organizar a tradição com protocolos de proteção, como ocorre no Arquipélago dos Açores”, lembra o professor, em referência a Portugal.

Livro de Eugênio Pascele Lacerda sobre farra do boi no BrasilEm livro publicado em 2003, professor Eugênio Pascele Lacerda analisa a tradição da farra do boi no Brasil – Foto: Divulgação/ND

Segundo Pascele, nessa tentativa, a ideia era fazer a farra com autorização de veterinário e da polícia em áreas fechadas, ou seja, estruturar um evento. Ele lembra que a lei, no entanto, foi alvo de uma ação do Ministério Público e acabou interditada.

“O resultado é essa clandestinidade. Essa estigmatização das comunidades, além da perda histórica de oportunidade de organizar uma tradição que faz parte do acervo de práticas culturais das comunidades de herança açoriana, tal qual a Festa do Divino, a pesca artesanal de tainha”, explica o professor.

Na visão dele, à medida que o litoral catarinense se urbanizou, a farra do boi ganhou visibilidade e, ao mesmo tempo, foi estigmatizada de tal forma, que não é mais palpável.

“Há resistências clandestinas, mas, no meu modo de ver, como pesquisador, essa tradição está fadada ao esquecimento”, avalia Pascele.

Operação Quaresma visa coibir farra do boi no Estado

A PMSC informou que, em virtude dos acontecimentos registrados, realiza desde o dia 22 de fevereiro a Operação Quaresma, que visa o combate aos crimes de maus-tratos a animais de qualquer natureza e sua exploração. A Operação está prevista até o dia 15 de abril e pode ser prorrogada.

A PMSC segue atuando para coibir a pratica de farra do boi em Santa Catarina – Foto: PMSC/Divulgação/NDA PMSC segue atuando para coibir a pratica de farra do boi em Santa Catarina – Foto: PMSC/Divulgação/ND

O foco da polícia é o cumprimento da lei 9605/95, em seu artigo 32, que diz: “praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos é crime, com pena de detenção de três meses a um ano, e multa”.

O Comando-Geral da PMSC entende como adequada a ação operacional para coibir eventuais ocorrências desta natureza a animais, comuns nesta época do ano no litoral catarinense.

Condutas ilícitas

A PMSC também ressalta que, durante a farra do boi, outras condutas ilícitas estão associadas, entre as quais desordens, perturbação do sossego, danos ao patrimônio público e privado, lesões corporais, vias de fato, ameaças, consumo e venda de drogas e entorpecentes.

Dos três casos de 2021, dois ocorreram em Florianópolis, uma no bairro Rio Tavares, no Sul da Ilha, e outra no Porto da Lagoa, no Leste da Ilha. A terceira ocorrência de farra do boi em Santa Catarina neste ano foi no município de Bombinhas.

Ocorrência em Bombinhas

Segundo o Tenente Robson Joubert, na madrugada de domingo (28) a polícia precisou intervir para coibir a prática. “Um grupo de pessoas, com o pretexto de se divertir, submetia um boi a intenso sofrimento mediante agressões, provocações e instigação do animal, até sua completa exaustão”, disse o Tenente.

A polícia atuou com base em denúncias de que havia um boi solto correndo no calçadão da praia de Bombas. Foi então que a guarnição da PM se dirigiu até o local e encontrou um boi de porte grande em um pasto, onde se reuniam dezenas de pessoas suspeitas de participar do evento.

“Os suspeitos presentes no local tentaram, por diversas vezes, atrapalhar a atuação da polícia, chegando, inclusive, a atirar pedras na direção dos profissionais.”

Depois de muito trabalho, a polícia conseguiu capturar o animal. Antes disso, o bicho chegou a invadir a piscina de uma pousada, assustando os inquilinos do local.

Segundo a PM, o animal foi levado à Cidasc (Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola). Além disso, os fatos foram registrados e encaminhados ao delegado de polícia civil, competente para apurar a responsabilidade dos envolvidos.

Proibição completa 23 anos

A farra do boi é proibida desde 1998 no Brasil e quem descumpre a regra pode receber multa. Segundo o comando da PM, quem patrocinar ou divulgar farra do boi, pode ter que pagar até R$ 10 mil de multa e quem participar ou assistir da farra do boi, pode ter que pagar R$ 1000.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Itajaí e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.

+

Segurança