PF cumpre mandados de busca e mira advogados de Lula e Witzel

Ex-advogado de Flavio Bolsonaro, Frederick Wassef, está entre os alvos da Operação E$quema S

A PF (Polícia Federal) cumpre 51 mandados de busca e apreensão, nesta quarta-feira (9), em endereços localizados no estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Alagoas, Ceará e Pernambuco.

A nova fase da operação Lava Jato é realizada em conjunto com a Receita Federal e o MPF (Ministério Público Federal).

PF cumpre nova fase da operação Lava Jato nesta quarta (9) – Foto: Agência Brasil/Divulgação

Entre os alvos estão os advogados Cristiano Zanin, do ex-presidente Lula; Ana Tereza Basílio, do governador afastado do RJ, Wilson Witzel; e Frederick Wassef, do ex-advogado do senador Flavio Bolsonaro.

Os três são suspeitos de participar de um esquema que desviou R$ 355 milhões, entre 2012 e 2018, do Sesc-RJ (Serviço Social do Comércio), do Senac-RJ (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) e da Fecomércio-RJ (Federação do Comércio).

Ao todo, 170 policiais federais, divididos em 44 equipes, estão nas ruas. Os mandados judiciais foram expedidos pela 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro.

De acordo com o MPF (Ministério Público Federal), a Operação E$quema S foi deflagrada em paralelo ao início do trâmite de uma ação penal contra 26 pessoas.

Denúncia

A denúncia diz que, dos R$ 355 milhões gastos a pretexto de advocacia, por serviços supostamente prestados à Fecomércio-RJ, ao menos R$ 151 milhões foram desviados em esquema liderado por Orlando Diniz, Marcelo Almeida, Roberto Teixeira, Cristiano Zanin, Fernando Hargreaves, Vladimir Spíndola, Ana Tereza Basílio (advogada de Wilson Witzel), José Roberto Sampaio, Eduardo Martins, Sérgio Cabral e Adriana Ancelmo – os 11 foram denunciados por organização criminosa.

O R7 procurou para Frederick Wassef (ex-advogado de Flavio Bolsonaro), Ana Tereza Basílio (advogada de Witzel) e Cristiano Zanin (advogado de Lula), mas não conseguiu contato. A defesa dos demais citados não foi localizada pela reportagem. O espaço está aberto para manifestação.

Os suspeitos vão responder, de acordo com a PF, por tráfico de influência, exploração de prestígio, peculato, estelionato, corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Operação E$quema S

Segundo o MPF, as novas buscas e apreensões foram autorizadas devido a contratos advocatícios da Fecomércio-RJ, ora com denunciados ora com outros escritórios, pagos com verbas públicas do Sesc RJ e Senac RJ.

As autoridades também investigam a devolução em espécie para Orlando Diniz, por alguns denunciados e outros alvos da Operação E$quema S, de parte dos valores desviados daquelas entidades no Rio de Janeiro.

“Aportes em favor dos escritórios vinculados aos denunciados foram contemporâneos às aquisições de carros e imóveis de luxo no país e no exterior, em franco prejuízo ao investimento na qualidade de vida e no aprendizado e aperfeiçoamento profissional dos trabalhadores do comércio no Estado do Rio de Janeiro, atividade finalística de relevantíssimo valor social das paraestatais”, afirmam os procuradores da Força-tarefa Lava Jato do Rio de Janeiro.

No diagrama abaixo, o MPF lista uma sequência de 11 fatos entre 2012 e 2016 descritos na denúncia da operação E$quema S:

Infográfico do MPF detalha o suposto esquema de desvios do Sistema S

Reprodução/ Ministério Público Federal

+

Segurança