Polícia de Santa Catarina prende “Pedrinho Matador”, ele confessa ter matado mais de 100 pessoas

Policiais da DIC (Divisão de Investigação Criminal), da Polícia Civil de Balneário Camboriú, prenderam, nesta quinta-feira (15), o mineiro Pedro Rodrigues Filho, o Pedrinho Matador, 56 anos, em cumprimento a mandado de prisão expedido pela Vara Criminal da Comarca de  Franco da Rocha (SP).  Condenado a 400 anos de prisão (até 2017), Pedrinho era procurado também pelos crimes de motim de presos (sete vezes) e cárcere privado qualificado.

Pedrinho foi preso por volta das 11h, em uma chácara na Estrada Geral dos Macacos, em Camboriú. No local, os policiais apreenderam um revólver calibre 38, municiado, motivo pelo qual foi autuado em flagrante pela delegada Giselle Cristina Costa Lima. A arma, segundo ele, era para se defender em razão dos inúmeros homicídios que já cometeu, alguns dentro de presídios.

O preso já cumpriu 34 anos de prisão e foi condenado, segundo ele, por mais de cem homicídios. Pedrinho alega que matava apenas “pessoas que não prestavam”, referindo-se a estupradores e traidores que ele matou enquanto esteve preso. Uma das vítimas de Pedrinho foi o próprio pai, a facadas, antes de lhe arrancar o coração e comer um pedaço, na cadeia de Mogi das Cruzes. O crime seria vingando ao assassinato de sua mãe.

Acostumado a estrangular suas vítimas, ele reconhece que gosta de provocar dor. Numa prisão de Araraquara, interior de São Paulo, degolou com uma faca sem fio o homem acusado do assassinato de sua irmã. “Era meu amigo, mas eu tive de matar”, justificou”

Pedrinho foi preso pela primeira vez em 24 de maio de 1973. Em 2003, mesmo condenado a 126 anos de prisão, quase foi libertado. Mas, por causa de crimes cometidos dentro de presídios, que aumentaram suas penas, sua permanência na prisão foi prorrogada pela Justiça até 2017.

Primeiro crime aos 14

O ataque é rápido, a chance de reação, mínima. Com uma das mãos no queixo, a outra agarrada aos cabelos, ele desloca a cabeça da vítima para cima e para o lado, quebrando-lhe o pescoço. A morte é instantânea. Ele não precisa de arma, usa as mãos e a força do seu corpo para matar.

Pedro Rodrigues Filho nasceu numa fazenda no sul de Minas Gerais já com o crânio ferido por causa dos chutes que seu pai deu na barriga da mãe durante uma briga. Matou pela primeira vez aos 14 anos e seguiu matando. Acumula mais de cem mortes, sendo 47 em presídios. Segundo ele, a vontade de matar veio pela primeira vez aos 13 anos em uma briga com um primo mais velho. Ele empurrou o rapaz para uma prensa de moer cana.

Aos 14 anos, Pedrinho matou o vice-prefeito de Alfenas, por ter demitido seu pai, um guarda escolar, na época acusado de roubar.  Depois matou outro vigia que ele achou ser o verdadeiro ladrão. Fugiu para Mogi das Cruzes onde começou a matar traficantes.

Divulgação/PC/ND

Pedrinho foi preso em uma chácara com um revólver

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Itajaí e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Segurança

Loading...