45 containers com valor estimado em R$ 50 milhões são apreendidos em SC

Foi a maior apreensão da Receita Federal já registrada na região Sul e a quinta maior da história

A Receita Federal realizou, nesta segunda-feira (17), uma grande apreensão no Porto de Itapoá e no Centro Logístico Integrado Fastcargo (CLIF), ambos de Itapoá, no Litoral Norte de SC.

No total, 45 containers com produtos importados que se destinavam ao comércio informal no estado de São Paulo foram apreendidos. O valor estimado dos containers é de mais de R$ 50 milhões.

porto de itapoáPorto de Itapoá, no Litoral Norte de Santa Catarina  – Foto: Divulgação ND

Foi a maior apreensão já registrada na região Sul do País, a segunda maior apreensão do órgão nos últimos dez anos e a quinta maior da história.

Segundo a Receita Federal, com o intuito de pagar menos impostos e disfarçar o real adquirente das cargas, montou-se um esquema com empresas laranjas para tentar driblar a fiscalização.

Ainda de acordo com a Receita, a maioria dos contêineres apreeendidos estão no CLIF.

Centro Logístico Integrado Fastcargo (CLIF ) – Foto: CLIF/Divulgação NDCentro Logístico Integrado Fastcargo (CLIF ) – Foto: CLIF/Divulgação ND

No entanto, explica o delegado da Alfândega da Receita Federal em São Francisco do Sul, Edwilson Mota, nenhum dos dois terminais tem qualquer envolvimento com a apreensão.

“A investigação se deu em cima de empresa. As mercadorias apenas estavam depositadas nos dois terminais. Portanto, o alvo não foi o Porto de Itapoá e sim a empresa fraudulenta”, frisa Mota, lembrando que informações detalhadas serão repassadas nesta quarta-feira (19). 

“O porto está prestando todas as informações e apoio necessários e não têm quaisquer envolvimentos com a fraude”, complementa o delegado da Alfândega da Receita Federal. 

A reportagem tentou falar com o Centro Logístico Integrado Fastcargo (CLIF) sem sucesso.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Joinville e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Polícia