“A gente não queria que ela fosse embora”, diz irmã de mulher morta em Joinville

Marlene, irmã de Vanessa, conta que a família não queria que ela mudasse para Joinville

“A gente não queria que ela fosse embora. Aqui a gente poderia ajudar a cuidar”, disse Marlene Corrêa, irmã de Vanessa de Lima, assassinada na noite de sexta-feira (23) em Joinville.

Vanessa de Lima foi encontrada debaixo da cama, no apartamento em que morava no bairro Paranaguamirim, zona Sul da cidade. Ela estava envolvida por um lençol no corpo e em seu pescoço.

trabalho da policiaForças policiais e IGP na frente do apartamento onde ocorreu o crime – Foto: Reprodução vídeo/Divulgação ND

A irmã Marlene, que mora em Tijucas do Sul, no Paraná, disse que Vanessa decidiu sair da cidade e morar em Joinville há mais de um ano.

“Ela dizia que em Joinville conseguia serviço mais rápido. Levou o filho mais novo, de quem não desgrudava”, lembra a irmã.

Depois que Vanessa veio para Joinville, a família perdeu um pouco o contato por causa da distância, segundo a irmã Marlene. Nos telefonemas, ela dizia que estava tudo bem.

Vanessa de lima deixou três filhos: o mais velho, de 9 anos, mora com o pai biológico; o do meio, de 4 anos, mora com a avó; e o pequeno, de 2 anos, vivia com ela em Joinville. O menino foi encontrado andando sozinho em Joinville na noite de sexta-feira.

Ele foi achado próximo à cozinha comunitária do bairro Paranaguamirim, vestindo bermuda e regata. Uma moradora abrigou a criança e acionou o Conselho Tutelar, que fez o resgate.

O caso foi encaminhado para a Vara da Infância em Joinville, que deve conceder a guarda da criança para um parente próximo. A irmã mais velha de Vanessa, Elenir Carvalho, de 38 anos, deve ficar com a guarda da criança, a princípio, mas isto não está definido ainda. 

Como o caso está em segredo de justiça por envolver o menor e também em respeito ao Estatuto da Criança e Adolescente (ECA), os Conselhos Tutelares e a Justiça não repassaram detalhes.

Investigação

O delegado Eliéser Bertinotti, da Delegacia de Homicídios em Joinville, instaurou o inquérito para investigar a morte de Vanessa de Lima, 25 anos, e está tratando, neste momento, como feminicídio.

Na tarde desta segunda-feira (26), o delegado ouviu “pessoas que tinham conhecimento do fato” e vai continuar ouvindo novos depoimentos nos próximos dias.

Eliéser descartou, por enquanto, que o autor do assassinato seja um ex-companheiro contra o qual Vanessa tinha uma medida protetiva.

“Por hora, não seria esse ex-companheiro que teria medida protetiva que cometeu o crime”, acrescentou o responsável pela investigação.

No entanto, o delegado já tem uma linha de autoria do crime, que seria do convívio dela. “Ela teve alguns relacionamentos. Estamos estudando os vínculos. E já existe uma indicação de autoria”, adiantou Eliéser Bertinotti

O delegado contou, ainda, que, a princípio Vanessa de Lima estava desempregada. Ela dividia o apartamento com um homem.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Joinville e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Polícia

Loading...