Ato com bandeira nazista em Florianópolis é investigado pela Polícia Civil

Ministério Público também acompanha as investigações; caso gerou revolta nas redes sociais

A Polícia Civil segue investigando o caso do homem que apareceu, em vídeo, com uma bandeira nazista na sacada de um apartamento na Beira-mar Norte, em Florianópolis.

Em nota, a polícia informou que todas as providências estão sendo tomadas, mas que ainda não é possível passar maiores informações sobre o caso.

Já o MPSC (Ministério Público de Santa Catarina) divulgou, através do NECRIM (Núcleo de Enfrentamento aos Crimes de Racismo e Intolerância)  que está acompanhando as investigações. O coordenador do núcleo e Procurador de Justiça, Paulo Brandão, explica que a propagação do ideário nazista e o racismo são crimes que precisam ser combatidos com firmeza.

A lei prevê pena de reclusão de um a três anos e multa para quem fabricar, comercializar, distribuir ou veicular símbolos, emblemas, ornamentos, distintivos ou propaganda que utilizem a cruz suástica ou gamada, para fins de divulgação do nazismo.

O NECRIM trabalha na elaboração de um diagnóstico sobre a quantidade e a atuação de células nazistas no estado catarinense.  O mapeamento iniciou a partir de um estudo acadêmico que se debruçou sobre o tema e tem como objetivo deflagrar uma ação mais assertiva e preventiva.

O prefeito da Capital, Gean Loureiro afirmou que recebeu informações de que o autor teria problemas psiquiátricos. Ele também disse ter acionado a Secretaria de Segurança municipal para apurar o caso. “Nazistas não são bem-vindos em Florianópolis”, destacou.

“Sobre o ato nazista, registrado em vídeo, recebi informação de que o suposto autor tem problemas psiquiátricos e que a família já está intervindo. Solicitei ao meu secretário de Segurança investigação com autoridades competentes”, escreveu o prefeito em rede social.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Polícia

Loading...