Bebê morta com travesseiro em SC sofria tortura e pai tentou matá-la antes

O pai de 25 anos e a mãe da bebê de 19 anos foram presos e encaminhados ao Presídio Regional de Criciúma; ele já teria tentado matá-la em outra oportunidade

A suspeita da Polícia Civil de Criciúma é de que a bebê de um ano e dois meses morta nesta segunda-feira (7) sofria tortura e maus-tratos do pai e que a mãe de 19 anos participaria dos atos ou era conivente com a situação no bairro Vila Esperança, em Siderópolis.

Além disso, o jovem de 25 anos será enquadrado por feminicídio já que é o suspeito de ter matado a filha asfixiada com um travesseiro. Ambos seguem presos.

“Lavramos um auto de prisão em flagrante em face dele pelo crime de Feminicídio de forma qualificada pela situação da asfixia, da impossibilidade de defesa da vítima, pela situação da criança em si e pelo ato de violência doméstica, além do crime de tortura. Ele foi enquadrado, também, por maus tratos contra a criança. E por parte da mãe enquadramos no ato de tortura, de maus tratos e de omissão qualificada por ela continuar praticando ou deixando praticar esses atos em sua presença”, explica o delegado da Central de Flagrantes, Fernando Possamai.

Delegado destaca que o pai da bebê já teria tentado cometer o crime em outra oportunidade – Foto: Reprodução/NDTVDelegado destaca que o pai da bebê já teria tentado cometer o crime em outra oportunidade – Foto: Reprodução/NDTV

Uma noite de terror

Segundo o delegado, a mãe de 19 anos contou que percebeu a ação do pai da criança e tentou impedir que ele sufocasse a bebê, mas foi agredida.
“Ela visualizou o seu marido tentando sufocar a bebê, e ela conta nas suas declarações de que ela buscou interceder, mas neste momento ela acabou sendo agredida pelo próprio companheiro. Segundo o depoimento, ela realmente era vítima de violência doméstica. Ela se sentia coagida e amedrontada por ele, porém convivia com ele a bastante tempo”, explica Possamai.

Crime foi registrado na casa em que o casal mora no bairro Vila Esperança, em Siderópolis – Foto: Juno César/NDTVCrime foi registrado na casa em que o casal mora no bairro Vila Esperança, em Siderópolis – Foto: Juno César/NDTV

Após a intervenção dela, o pai teria parado de tentar sufocar a bebê e que ainda estava com vida. “Em seguida ambos foram dormir e a criança ficou dormindo ao lado do companheiro e quando acordaram no período da manhã a criança já estava sem vida”, conta o delegado.

Então eles tentaram dar entrada com a criança em um posto de saúde. “Por volta das 10h houve registro no posto de saúde na cidade Siderópolis de que um bebe de um ano e dois meses tinha dado entrada já sem vida e dessa situação a Polícia Militar de Siderópolis trouxe as duas pessoas que seriam suspeitos”, destaca Possamai.

Pai já havia tentado matar a bebê

Durante os depoimentos, colhidos durante toda a tarde desta segunda-feira (7), testemunhas indicaram que o jovem já teria tentado sufocar a bebê em outra ocasião.

“Segundo outros depoimentos que colhemos em outra ocasião ele já havia tentado praticar esse mesmo ato de sufocamento contra essa bebê em outra cidade, onde tem testemunha presencial que vivenciou e presenciou esses atos de tortura e maus tratos”, detalha o delegado.

Apontado pela esposa como autor, segundo o delegado, ele negou que tenha cometido o crime. “No depoimento, ele nega que tentou sufocar essa criança no período noturno”, destaca Possamai.

Mãe reconhece omissão

Além disso, no depoimento a jovem de 19 anos assumiu que não cuidava bem da bebê e de outro filho de três anos.

“Durante os depoimentos a própria mãe confirmou que efetivamente não cuidava muito bem dessas duas crianças, que ela possui mais outra criança com três anos de idade”, conta o delegado.

A criança, também, era vítima de maus tratos e deverá ficar com a família da jovem. O casal segue preso e foi encaminhado ao Presídio Regional de Criciúma. O jovem de 25 anos já foi preso por tráfico de drogas e estava solto.

+

Polícia