Caso Henry e grávida de Canelinha: entenda a tecnologia parecida das investigações

Programa de computador israelense tem a capacidade de recuperar fotos, vídeos e a geolocalização dos aparelhos, mesmo depois de apagados

Em setembro de 2020, o assassinato brutal de Flávia Godinho chocou a cidade de Canelinha e todo estado de Santa Catarina. A principal suspeita, Rozalba Maria Grime de 28 anos, teria matado a grávida e arrancado o bebê do ventre. O marido de Rozalba, Zulmar Schiestl de 44 anos, também se tornou suspeito do crime.

Graças a um programa de computador com tecnologia israelense, capaz de recuperar mensagens, documentos e fotos de celulares, mesmo que tenham sido apagados, Zulmar conseguiu o direito de responder em liberdade e provar que não sabia do plano criminoso da mulher.

Rozalba e Zulmar – Foto: Rozalba e Zulmar/Reprodução Redes Sociais/NDRozalba e Zulmar – Foto: Rozalba e Zulmar/Reprodução Redes Sociais/ND

A mesma tecnologia foi usada no caso do menino Henry do Borel, os investigadores e peritos criminais recuperaram conversas entre a mãe do menino, Monique Medeiros e a babá Thayná de Oliveira Ferreira. 24 dias antes do crime que resultou na morte do menino, Thayná teria alertado Monique sobre as agressões que o Dr. Jairinho faria a criança.

Madrasta do menino que foi cruelmente morto tirou selfie dentro da delegacia – Foto: R7/divulgaçãoMadrasta do menino que foi cruelmente morto tirou selfie dentro da delegacia – Foto: R7/divulgação

Tecnologia Israelense

Um software israelense foi a ferramenta que permitiu à polícia do Rio e de Santa Catarina levantar as principais provas das investigações tanto na morte de Henry, quanto no grávida de Canelinha.

No caso Henry, conversas e prints foram recuperados de um aparelho telefônico de Monique e mostram que a mãe tinha noção das agressões que o filho sofria tornando ela e o marido, Dr. Jairinho, de testemunhas a suspeitos do crime.

Dr. Jairinho, namorado de Monique Medeiros da Costa e Silva, mãe do menino Henry Borel, saem da Delegacia de Polícia da Barra da Tijuca(16ªDP) após prestar depoimento sobre a morte do menido de 4 anos. – Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil/NDDr. Jairinho, namorado de Monique Medeiros da Costa e Silva, mãe do menino Henry Borel, saem da Delegacia de Polícia da Barra da Tijuca(16ªDP) após prestar depoimento sobre a morte do menido de 4 anos. – Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil/ND

Já no caso da gráfica de Canelinha, a mesma tecnologia serviu para mostrar que o marido de Rozalba não sabia e nem teve participação na ação criminosa da mulher, através da recuperação de conversas entre Rozalba e o marido.

Em Santa Catarina essa tecnologia é usada desde 2015, como explica Tiago Petry, diretor do Instituto Criminal do IGP SC (Instituto Geral de Perícias). “Se esse crime ocorresse há alguns anos, quando essa tecnologia ainda não estava disponível, provavelmente esse indivíduo ainda estaria preso”, destacou Petry.

O Cellebrite é uma ferramenta usada por peritos forenses digitais para recuperar diversos tipos de dados contidos em celulares e outros equipamentos eletrônicos, mesmo depois de eles terem sido apagados.

Ele é composto por uma maleta com uma CPU dedicada, no qual o perito conecta o aparelho, para que programas específicos se encarreguem de contornar os bloqueios, como senhas e PIN de telas, para ter acesso ao conteúdo da memória do celular ou computador e baixá-los para a memória da CPU. É aí que um software da empresa é usado para recuperar arquivos que podem ter sido apagados, como os prints do celular de Monique.

Criptografia e segurança de dados

Para ter acesso a todas as informações dos celulares, é necessário que a justiça conceda autorização aos peritos e investigadores. A cada nova geração, os sistemas de criptografia dos dados é ainda mais sofisticado, justamente para garantir a segurança e privacidade dos usuários.

Essa atualização dos sistemas demanda um treinamento constante dos peritos criminais, uma vez que através do celular é possível não apenas identificar conversas, fotos e documentos, mas também a geolocalização do aparelho.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Polícia

Loading...