Construtora de Joinville dá golpe e deixa vítimas desesperadas

Construtora teria lesado pelo menos cerca de 30 vítimas só em Joinville; Polícia Civil investiga o caso

Mais um golpe e famílias vítimas desesperadas. Uma falsa construtora chamada Feito Obra (nome fantasia) de Joinville está sendo denunciada por várias vítimas que perderam dinheiro, tempo e saúde. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil de Joinville.

fábio seria o dono da construtora que deu o golpeFábio Gotzinger está sumido após o golpe – Foto: Internet/Divulgação ND

Fábio Gotzinger, um homem que até há pouco tempo era visto como um empresário e hoje vive escondido, com medo das pessoas que investiram dinheiro na suposta construtora dele.

Prometendo obras de qualidade com entrega no prazo, Fábio teria lesado cerca de 30 vítimas só em Joinville. Janaína é uma delas. Ela queria construir um muro pré-moldado em um terreno na zona Sul da cidade.

Em uma pesquisa na internet, encontrou a empresa de Fábio, com quem fechou negócio.

“A gente pesquisou  a empresa, que estava no  nome da mulher dele, Sabrina Salfer. Estava tudo certo com a empresa.  O atendimento foi bom e eles fizeram até contrato assinado em cartório. Quando fomos no escritório, eles falaram que moravam ali há mais de dez anos. Tinha empregados. A Sabrina, inclusive, disse que o marido cuidava da lavação que funcionava ali também e ela cuidava da construtora”, disse Janaina Martendal, técnica em enfermagem. 

A construção do muro custaria R$ 13 mil. Janaina deu 40% de entrada, conforme o contrato. Fez três transferências, mas logo após o pagamento, ela foi bloqueada no Whatsapp e nunca mais conseguiu contato com Fábio e os funcionários dele.

O prejuízo foi de 5,6 mil.

“Quando nos bloquearam do nada, vimos que a alguma coisa estava errada. Fui até o Facebook da Sabrina e vi que havia outras reclamações do golpe”, lamenta Janaina. 

Outras vítimas do golpe foram Eliezer e Adriana Florindo, que tinham o sonho de reformar a casa onde moram. O casal contratou a empresa do Fábio para realizar o serviço que custaria R$ 27 mil. O casal deu R$ 5 mil de entrada,  mas nunca recebeu sequer o contrato assinado.

casal caiu no golpeCasal tinha o sonho de reformar a casa. – Foto: Reprodução NDTV

“Sentimento de tristeza, de frustração e revolta. O sonho de ampliação da casa ficou perdido”, desabafa Eliezer Miller Florindo

Segundo as vítimas, Fábio não agia sozinho. Ele teria o apoio da então companheira Sabrina Salfer, que também trabalhava e atendia os clientes na sede da construtora. Inclusive, todos os contratos firmados com os clientes eram assinados por Sabrina e os pagamentos realizados por transferência caíam direto na conta dela. A empresa também foi aberta no nome dela.

construtora que deu golpeConstrutora que deu golpe em pelo menos 30 pessoas só em Joinville – Foto: Reprodução NDTV

A construtora chegou a funcionar em uma sala comercial alugada no bairro Costa e Silva. Hoje, o local está vazio. Uma outra sede foi aberta na rua Minas Gerais, bairro Nova Brasília, onde também não funciona mais.

Sandra Regina Lambak, empresária, outra vítima, resolveu divulgar o golpe na internet. Ela e o marido chegaram a dar o carro e uma carretinha como parte do pagamento para a construção de uma casa em Garuva, sonho que nunca se concretizou.

“Eu tenho áudios chorando. Perdi o carro, perdi a carretinha, perdi a saúde. Já era para eu estar morando na minha casa nova. Ele tirou meu sonho”, fala Sandra.

vítimas do golpe fizeram um grupo para relatar os golpesUm grupo foi montado para reunir todos que tiveram prejuízos – Foto: Reprodução NDTV

Um grupo foi montado para reunir todos que tiveram prejuízos e os relatos são sempre os mesmos: um valor ou bem dado como entrada para garantir o serviço, mas a obra tão esperada nunca sai do papel.

Marília da Silva Cavalheiro, vítima, confessa que a única coisa que tinha para dar de entrada para fazer sua casinha era o carro C3, que valia de R$ 18 mil a R$ 19 mil, mas repassou pelo valor de R$ 13 mil para a construtora. 

“Ele não fez nada, nenhum tijolo em cima do meu terreno. Estou depressiva em casa, não sei o que eu faço mais. Meu deus, acabou com a minha vida, acabou mesmo.”

Mais de 120 boletins de ocorrência

Antônio Hauss, mecânico, foi procurado por Fábio Gotzinger com uma proposta de trocar mão de obra pela construção de uma casa na praia, onde ele já tinha um terreno. O mecânico aceitou e fez o conserto de 7 carros, sendo que dois deles tiveram os motores refeitos. Mas o golpista, mais uma vez, não cumpriu com a palavra e a casa não saiu, um prejuízo de 25 mil.

“Um cara desses vem dando golpe na sociedade. São mais de 120 BOs realizados na polícia. Eu prestei o serviço e ele não cumpriu com a palavra”, desabafa Antônio.

O casal Fábio e Sabrina teria agido de janeiro a julho deste ano. Depois disso, deixaram de responder às vítimas e não atendem ligações. Inclusive, há indícios de que Fábio teria deixado a cidade de Joinville e se mudado para Rio do Sul, no Alto Vale do Itajaí, onde tem familiares.

A equipe de reportagem da NDTV tentou contato com Sabrina por telefone. Ela negou ter participação no esquema criminoso e diz também ter sido vítima de um golpe.

“Ele roubou meu dinheiro e usou meu nome. Eu não sabia dos golpes”, disse Sabrina ao telefone

Fabio Gotzinger não atendeu nenhuma das oito ligações realizadas pela reportagem.

A maiora das vítimas registrou boletim de ocorrência. Outras não o fizeram por medo porque Fábio fazia ameaças de morte em troca de mensagens.

Nota de esclarecimento

“A Associação Catarinense de Construtores e Afins (ACCA) esclarece foi uma empreiteira e não uma construtora ou incorporadora. Esse esclarecimento se faz importante para não denegrir a classe desses profissionais, nem dos nossos associados e nem a Associação que preza sempre pelo auxílio aos clientes a escolherem os seus bens.”

*Com informações de Maikon Costa, da NDTV Joinville.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Joinville e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Polícia

Loading...