Mãe de Amanda Albach quebra silêncio após assassinato em SC: ‘Coração de mãe não se engana’

Darcilma Albach falou pela primeira vez após morte da filha de 21 anos, ocorrida em Imbituba, no Litoral catarinense; jovem cavou própria cova antes de ser assassinada

A mãe de Amanda Albach, jovem de 21 anos que foi morta e enterrada após cavar a própria cova na Praia do Sol, em Imbituba, no Sul de Santa Catarina, falou pela primeira após o caso. Darcilma Albach comentou o atual estado da família, além de revelar como se sente em relação aos acusados. As informações são do portal RICmais.

Investigações sobre desaparecimento de Amanda Albach apontaram para crime na Praia do Sol – Foto: Internet/Divulgação/NDInvestigações sobre desaparecimento de Amanda Albach apontaram para crime na Praia do Sol – Foto: Internet/Divulgação/ND

Antes de morrer, Amanda foi coagida por um dos acusados a enviar um áudio para a própria mãe, por meio de aplicativo de mensagens, a fim de não levantar suspeitas sobre o crime investigado.

“Coração de mãe não se engana. Eu senti que a voz dela estava triste”, diz a mãe.

Na noite de 15 de novembro de 2021, Amanda cavou a própria cova na praia e morreu baleada.

Atualmente, a mãe da vítima, que ficou com a filha bebê de Amanda, espera por respostas. “A pior coisa que uma mãe pode ouvir é isso. Eu não desejo pra ninguém isso, porque é terrível. Não tem dor maior, não tem, e até hoje está doendo, e vai doer para sempre”.

Andamento do caso

Na próxima terça-feira (31), ocorre uma audiência de instrução do caso. “Essa primeira fase processual é importante para que os réus sejam efetivamente pronunciados. Vai vir uma sentença posterior, se eles vão ou não a júri popular. Nós como assistentes de acusação temos grandes expectativas de que todos eles vão a júri”, disse o advogado Fábio de Assis.

“Espero que eles tenham o que merecem. Se dependesse de mim, eu queria que eles pegassem prisão perpétua, mas, como isso não é possível, eu quero que eles peguem o tempo máximo, para nunca mais fazerem isso. Não quero nenhuma mãe chorando como eu estou chorando, porque quem mata uma vez, mata duas. Se eles tiverem que sair, que estejam bem velhinhos, para não terem forças de fazer isso com o filho dos outros”, desabafa Darcilma.

Relembre o crime e quem era Amanda

Em 15 de novembro de 2021, Amanda Albach deu notícias à mãe pela última vez. No dia anterior, estava em uma festa em Jurerê Internacional, em Florianópolis, junto de um casal e mais um rapaz, pois havia passado os quatro dias de feriado da Proclamação da República em Santa Catarina.

Depois dali, seguiu para Imbituba, junto do trio, quando não foi mais vista. Após 18 dias de procura, em 3 de dezembro, o corpo de Amanda foi encontrado enterrado, quando um dos suspeitos confessou que assassinou a jovem com dois tiros e a obrigou a cavar o espaço na areia. O crime teria acontecido por volta das 22h do dia 15 de novembro.

Momentos antes da ocorrência, Amanda teria ligado para a mãe, por ordem do suspeito, sendo coagida a informar que havia conseguido um carro para voltar ao Paraná, informando que chegaria em casa pela madrugada. Depois disso, o celular da jovem ficou inativo.

Mãe de uma menina de três anos, Albach morava em Fazenda Rio Grande, na Região Metropolitana de Curitiba, e trabalhava como promotora de vendas.

Um dos envolvidos confessou a autoria dos fatos, alegando que Amanda havia fotografado uma arma pertencente a ele, e enviado a imagem para amigos. A polícia não conseguiu confirmar essa informação.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Diversa+ na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Polícia

Loading...