Corpo encontrado em Papanduva era de empresário desaparecido desde janeiro

Companheira realizou o reconhecimento ainda no sábado (6), dia em que o corpo foi encontrado na localidade de Floresta II

Quase dois meses. Esse foi o tempo que o empresário Adriano Fagundes ficou desaparecido. A angústia da família teve fim no sábado (6), mas a história está longe de ter um final feliz. Aos 44 anos, ele foi encontrado morto na localidade de Floresta II, em Papanduva, no Planalto Norte de Santa Catarina.

Adriano Fagundes estava desaparecido desde o dia 18 de janeiro e corpo foi encontrado no sábado (6), em Papanduva – Foto: Redes Sociais/DivulgaçãoAdriano Fagundes estava desaparecido desde o dia 18 de janeiro e corpo foi encontrado no sábado (6), em Papanduva – Foto: Redes Sociais/Divulgação

O empresário morava em Colombo, na região metropolitana de Curitiba e o corpo foi encontrado em avançado estado de decomposição em um córrego dentro de uma propriedade privada.

De acordo com o IML (Instituto Médico Legal), a companheira fez o reconhecimento ainda no sábado, quando o corpo foi encontrado. Ela conseguiu reconhecer o marido através dos pertences e algumas características físicas que ainda estavam preservadas.

Apesar disso, a perícia coletou DNA para o exame e, ainda, material biológico para verificar possíveis substâncias tóxicas que ele possa ter ingerido, explica o IML. Exames complementares também foram realizados para determinar a causa e o tempo da morte.

O delegado Nelson Vidal explica que não há suspeita, neste momento, de morte violenta. “Não trabalhamos com essa hipótese neste momento. Não levantamos nenhum indício no local de que tenha sido um homicídio”, fala.

O corpo foi encontrado com as mãos e a face em um lodo dentro de um córrego e, segundo o delegado, a hipótese é de que ele possa ter perdido os sentidos devido ao uso de algum medicamento.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Joinville e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Polícia

Loading...