Defesa de acusada de matar grávida em SC pede transferência de presídio

Rozalba Maria Grime está em cela isolada e não tem contato com outras detentas; advogado teme que facção possa pedir a morte da acusada do crime em Canelinha

A defesa de Rozalba Maria Grime, acusada de assassinar a grávida Flavia Godinho Mafra, em Canelinha, solicitou a transferência da ré ao Presídio Feminino da Canhanduba, em Itajaí. O pedido ocorre após ela ser hostilizada e ameaçada de morte, no Presídio Regional de Tijucas, onde está atualmente.

Rozalba em depoimento à Polícia Civil no dia 28 de agosto, um dia após o crime em Canelinha – Foto: Reprodução/ND

“Conversei com o chefe de segurança do presídio e ele disse que ela está sendo hostilizada, mas o contato dela com outras detentas é impossível”, diz Rodrigo Goulart, responsável pela defesa de Rozalba.

Rozalba está em uma cela isolada, faz o banho de sol sozinha e não tem contato com outras detentas, apenas com funcionários da instituição.

Até o momento, ela não sofreu nenhuma tentativa de agressão, mas o advogado teme que uma facção possa pedir a morte da detenta.

A acusada não chegou a relatar ameaças, mas Goulart afirma que não sabe se ela ficou acuada e não quis contar. “Ela relata apenas que está muito sozinha, que precisa de alguém para conversar”, afirma.

Segundo o advogado, Rozalba já havia sido transferida ao Presídio Feminino de Chapecó, posteriormente foi para a Canhanduba e está novamente no Presídio Regional de Tijucas, onde não há uma ala chamada “seguro”, destinada a detentas que cometem esse tipo de crime.

A Justiça ainda vai analisar o pedido da defesa de Rozalba.

+

Polícia