Do sonho ao prejuízo: moradores de Joinville denunciam agência de modelos

As vítimas fecharam contratos e pagaram à agência, que nunca mais retomou contato; boletim de ocorrência e denúncia ao Procon já foram feitos

A promessa de uma carreira na moda fez com que vários moradores de Joinville tenham, provavelmente, caído em um golpe. É que eles fecharam contratos com uma agência de modelos que nunca mais retornou, deixando prejuízo e sonhos interrompidos.

Vítimas fecharam contrato e pagaram à agência – Foto: Alfa Stofelli/NDTVVítimas fecharam contrato e pagaram à agência – Foto: Alfa Stofelli/NDTV

“Eu estava andando no mercado quando passou uma menina e disse que minha filha era linda. Ela agendou visita, falaram que a minha filha é maravilhosa, tem potencial e eu deveria investir”, conta a dona de casa Francine Garbin.

Ela assinou um contrato e pagou R$ 200 à agência. “Fizeram mil e uma propostas para eu não sair de lá sem fechar contrato”, ressalta. Como ela, outras pessoas também afirmam que foram vítimas de um golpe: em média, elas pagaram R$ 2 mil à agência.

A estudante Nataly Alexandre da Silva usou a rescisão para tentar carreira como modelo. “Dei R$ 1 mil de entrada para fazerem meu álbum de apresentação. Cheguei em casa, contei pra minha mãe, fomos pesquisar sobre a empresa e descobrimos que tinha muita reclamação, que tinham escutado as mesmas histórias e promessas e não receberam”, lembra.

Várias pessoas reclamam das promessas não cumpridas e do prejuízo – Foto: Alfa Stofelli/NDTVVárias pessoas reclamam das promessas não cumpridas e do prejuízo – Foto: Alfa Stofelli/NDTV

Até mesmo quem chegou a fazer algum trabalho com a agência tem reclamações. “Fiz o trabalho e meu cachê, que demoraria 45 dias pra chegar, veio só oito meses depois”, diz Letícia Kergein.

Os profissionais da agência não aparecem desde o ano passado, o que fez as vítimas registrarem boletim de ocorrência e acionarem o Procon. O imóvel onde funcionava a Zott Models Management está para alugar e a reportagem não conseguiu falar com ninguém pelos telefones divulgados.

O delegado Fábio Baja afirma que a investigação já foi iniciada. “Difícil nesses casos é recuperar o prejuízo. A identificação é possível, mas recuperar o dinheiro é difícil”, destaca.

Já a gerente do Procon de Joinville, Cristiane Berger, alerta para os cuidados necessários para não cair em golpes. “A orientação é pesquisar sobre a empresa, se tem queixa no Procon e em outros sites”, ressalta.

Segundo ela, audiências de conciliação já foram realizadas com a agência, mas os responsáveis nunca compareceram.

*Com informações de Sabrina Aguiar, repórter da NDTV Joinville

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Joinville e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Polícia