“Eles ainda estão dopados”, diz delegado após ouvir depoimento de caminhoneiros

Pelo menos três pessoas estão envolvidas, delegado não descarta o envolvimento de mais pessoas

Cinco mil reais, esse foi o valor prometido a cada um dos três caminhoneiros para que fizessem um frete de Santa Catarina ao Paraná. A carga seria de fertilizantes, mas tudo não passou de um grande golpe, o que poderia ter custado a vida dos motoristas. A falsa oferta foi publicada pelos criminosos em um aplicativo de fretes.

Foto parte de dentro do cativeiroVisão externa do galpão onde os caminhoneiros foram mantidos reféns – Foto: NDTV

O aplicativo pode ser utilizado tanto por caminhoneiros que buscam cargas em todo país quanto por transportadoras e outras empresas que procuram motoristas de forma rápida.

A perícia já foi feita nos dois locais onde as vítimas ficaram após o assalto, um cativeiro às margens da BR-101, no bairro Nova Brasília, zona Oeste de Joinville, Norte de Santa Catarina e uma fábrica de bebidas abandonada na zona Sul.

“Eles acabaram caindo numa isca, foram atraídos até Joinville e quando chegaram aqui foram vítimas desse crime de roubo. Levaram essas vítimas até um galpão, onde permaneceram até o domingo. Os motoristas foram obrigados a ingerir uma substância, ficando em estado alucinógeno, não conseguindo sair do lugar e nem pedir ajuda”, disse o Delegado Rafaello Ross.

Durante a tarde desta segunda-feira (4), a polícia civil de Joinville ouviu os relatos de dois caminhoneiros que saíram do hospital. O terceiro ainda não havia recebido alta, para o delegado, não há dúvidas, não houve sequestro.

A polícia ainda não tem informações sobre o paradeiro dos caminhões que foram roubados e não há detalhes dos criminosos que participaram da ação.  Pelo menos três pessoas estavam envolvidas e planejaram o crime, mas o delegado não descarta a possibilidade da participação de outras pessoas.

“Foi um crime premeditado aqui em Joinville, não temos notícia desse tipo de isca para atrair caminhoneiros e em seguida subtrair os caminhões. Não havia carga, foi só para atrair eles com um valor de frete mais alto. Os motoristas devem ficar atentos a esse valor de frete para não serem vítimas desse tipo de golpe”, finalizou o delegado.

Relembre o caso:

A PM foi acionada por volta das 14h30, depois que um dos caminhoneiros foi encontrado caído em uma rua do bairro Nova Brasília, na zona Oeste da cidade, e teria relatado que foi vítima de sequestro. O homem de 43 anos estava desorientado, provavelmente devido à sedação.

Ainda assim, ele conseguiu informar que havia outras duas vítimas dentro de um galpão. Diante disso, a polícia acionou o Samu para atendê-lo e realizou rondas para encontrar o galpão.

Os policiais conseguiram encontrar o imóvel no bairro Boehmerwald e, nele, estavam as outras duas vítimas, de 34 e 41 anos, também desorientadas. Os três homens são proprietários de caminhões e foram chamados para um encontro com a promessa de um frete para o Paraná.

No lugar combinado, separadamente, o suposto contratante pediu que eles fossem até outro local para avaliar a carroceria e a quantidade de carga. No caminho, o roubo foi anunciado e, rendidas com arma de fogo, cada uma das vítimas foi levada a um cativeiro às margens da BR-101.

Neste cativeiro, os três caminhoneiros ficaram até o domingo pela manhã, quando foram levados ao galpão.

Local do cativeiroVisão externa do galpão onde os caminhoneiros foram mantidos reféns – Foto: NDV

Os caminhoneiros, que são de Araranguá, Londrina (PR) e São Paulo (SP), foram obrigados a entrar em contato com os familiares para que não houvesse desconfiança sobre o crime.

*Com informações de Maikon Costa, repórter da NDTV Record Joinville

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Joinville e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Polícia

Loading...