Esquema de venda irregular de túmulos é alvo de investigação em Mafra

Polícia Civil foi acionada após denúncia da Secretaria de Meio Ambiente e quatro pessoas são suspeitas de participar da associação criminosa

Até para morrer é preciso pagar, mas em Mafra, no Planalto Norte de Santa Catarina, um esquema de corrupção tem feito esse valor ser ainda maior. A DIC (Divisão de Investigação Crimina) investiga um esquema de venda irregular de túmulos na cidade e, de acordo com o delegado regional Nelson Vidal, pelo menos 30 lotes de túmulos podem ter sido vendidos de maneira irregular. “Mas o número pode ser bem maior”, diz.

A suspeita é de que pelo menos 30 terrenos para túmulos tenham sido vendidos irregularmente e a preços muito acima do ‘normal’ – Foto: Polícia Civil/DivulgaçãoA suspeita é de que pelo menos 30 terrenos para túmulos tenham sido vendidos irregularmente e a preços muito acima do ‘normal’ – Foto: Polícia Civil/Divulgação

A polícia investiga quatro suspeitos, que estariam vendendo de maneira irregular os lotes para túmulos no cemitério e, além disso, direcionavam as famílias para empresas específicas de construção e reforma dos túmulos. As empresas também fazem parte do esquema investigado.

O delegado conta que as vendas eram realizadas por valores que variam entre R$ 3 mil e R$ 9 mil, enquanto a taxa cobrada pelo município para concessão do lote flutua entre R$ 300 e R$ 500. Além de um valor muito superior, a taxa não era revertida ao município e, com isso, a família precisava também pagar a taxa de concessão do terreno.

A polícia já cumpriu mandados de busca e apreensão na casa de um servidor e em uma empresa especializada na construção e reformas de túmulos na cidade. Celulares, documentos e outras provas foram apreendidos durante a ação.

Segundo Vidal, os suspeitos podem responder pelos crimes de corrupção passiva, estelionato, associação criminosa.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Joinville e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Polícia

Loading...