Feriado foi marcado pela violência dos farristas na Grande Florianópolis

Na madrugada de domingo (8) um homem foi atingido por um tiro em Governador Celso Ramos. Na sexta-feira (6) farristas apedrejaram policiais

Rosane Lima/ND

Conflito resultou na apreensão de um adolescente

O feriado de Páscoa foi marcado pela violência da farra do boi. Os adeptos da “brincadeira” protagonizaram cenas de guerra em conflito com policiais militares na Capital no final da tarde de sexta-feira. Em Governador Celso Ramos, uma pessoa foi ferida por um tiro disparado por um militar de folga. O homem foi internado no Hospital Regional de São José.
Em Santa Catarina, a prática da farra do boi foi proibida, por lei, em 1998. Mais de 15 anos depois, os farristas teimam em perseguir bois pelas ruas das cidades litorâneas do Estado. Sem temer a fiscalização, os grupos desafiam a polícia com pedras e fogos de artifício e xingamentos. Na praia do Santinho, pelo menos 100 farristas atiraram paus e lançaram fogos de artifício sobre os policiais militares deslocados para apreender um animal. Os soldados que só conseguiram deixar o local após a chegada de reforço para escoltar o comboio. Carros de equipes de reportagem também foram apedrejados. Apena um adolescente foi apreendido, mas nem chegou a ser encaminhado para a delegacia.
O incidente envolvendo novamente policiais militares e farristas foi registrado por volta das 4 horas de domingo em Governador Celso Ramos. Um policial tentou intervir em uma briga e acabou ferindo um homem. A vítima, que não teve o nome divulgado, permanece internada no hospital.
Ontem, a Central de Operações da Polícia Militar recebeu inúmeras denúncias de farra em Florianópolis, mas não confirmou a ação de farristas nos bairros da Capital. Segundo informações do plantão, todas as denúncias são verificadas no local.

Acesse e receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Polícia