Grupo envolvido com pesca ilegal de camarão em Florianópolis é alvo da PF

Pescadores utilizavam “olheiros” para acompanhar a movimentação de veículos e embarcações da PF e de órgãos de fiscalização ambiental

A Polícia Federal deflagrou, nesta terça-feira (14), uma operação para desarticular um grupo criminoso envolvido com a pesca ilegal de camarão, na modalidade de arrasto. O crime, segundo a PF, teria como cenário a Baía Norte, em Florianópolis, e a região metropolitana.

Operação combate pesca ilegal de camarão na modalidade de arrasto – Foto: Arquivo/Marco Santiago/ND

A operação recebeu o nome de Tangoneiros. Durante a manhã, 26 policiais federais cumprem seis mandados de busca e apreensão em Biguaçu e Governador Celso Ramos. Os mandados foram expedidos pela 1ª Vara Federal de Florianópolis.

Leia também:

Investigações

Conforme a PF, as investigações se aprofundaram em junho de 2019, com a prisão em flagrante de um homem pelo crime de pesca proibida. Foi verificado que um grupo de pessoas teria se associado para praticar a modalidade da pesca ilegal.

O grupo utilizava pessoas como “olheiros” para acompanhar e divulgar a movimentação de veículos e embarcações da Polícia Federal e dos órgãos de fiscalização ambiental.

As informações eram compartilhadas entre os pescadores por meio de um aplicativo de mensagens, dificultando, assim, a atuação do poder público.

Os investigados poderão ser indiciados pela prática dos crimes previstos nos artigos 34 e 69 da Lei nº 9.605/98 (pesca proibida e embaraço à fiscalização, respectivamente) e no artigo 288 do Código Penal (associação criminosa).

Nome da operação

O nome da operação, Tangoneiros, é uma alusão à nomenclatura das embarcações utilizadas para a prática da pesca de camarão na modalidade de arrasto.

+

Polícia