Homem morre atropelado após briga com amigos em Tijucas

Vítima teria se envolvido em uma confusão dentro do veículo e depois se jogado na frente do carro; caso é tratado como homicídio culposo

Um homem de 31 anos morreu na madrugada desta sexta-feira (12), vítima de um atropelamento, na rua Antônio Albino Casas, em Tijucas, na Grande Florianópolis. A suspeita inicial é de homicídio culposo, quando não há intenção de matar.

A Polícia Militar foi acionada por volta das 0h20, para atender a ocorrência. Segundo relatos de moradores, os bombeiros já haviam encaminhado a vítima para o hospital de Tijucas.

Homem foi vítima de homicídio na madrugada desta sexta em Tijucas – Foto: Reprodução\ND

Os policiais se dirigiram até o hospital e foram informados pela equipe médica de que a vítima de 31 anos, não resistiu aos ferimentos e morreu.

A Polícia Militar entrou em contato com a Polícia Civil de Tijucas e o IGP (Instituto Geral de Perícias). O Copom (Centro de Operações da Polícia Militar) informou então que o autor do atropelamento ligou para o 190, e passou sua localização.

Dessa forma, a guarnição da PM se dirigiu até a casa do suspeito, um homem de 25 anos, no bairro Pernambuco. Ele relatou que estava junto com a vítima na casa da mãe de uma amiga em comum, em um jantar. Logo após, os três foram embora juntos.

Leia também:

Segundo informações da PM, o homem afirmou que a vítima teria ficado nervoso dentro do carro e dado um soco na amiga, e pediu para descer.

Depois de 15 minutos, o motorista e a amiga foram para sua casa, e no entanto, a vítima estava no portão e os ameaçou de morte.
De acordo com o relato, ele teria corrido atrás do carro atropelado acidentalmente após se atirar na frente do veículo.

O motorista afirmou que no momento da ação teria ficado nervoso e fugiu do local. A terceira envolvida na ocorrência foi encaminhada pelos policiais até o hospital, por conta de ferimentos decorrentes da agressão.

De acordo com o delegado da Polícia Civil de Tijucas, Alisson Rocha, ela teve um corte profundo na cabeça, e a médica optou por deixá-la sedada e em observação, mas sem risco de morte.

Ainda conforme o delegado, inicialmente o suspeito foi autuado por homicídio culposo. No entanto, há a possibilidade de o caso ser enquadrado como doloso, quando existe a intenção de matar, dependendo dos desdobramentos da investigação.

+

Polícia