Idoso líder de facção criminosa é preso na Grande Florianópolis

Suspeito conhecido como "Velho" teria ordenado série de homicídios na região e é considerado de alta periculosidade; segundo a polícia, ele mudava aparência e esconderijo constantemente

Um idoso de 62 anos, apontado como liderança de uma facção criminosa, foi preso nesta quinta-feira (4) em São José, na Grande Florianópolis. Segundo a Polícia Civil, “Velho”, como é conhecido, é suspeito de ordenar uma série de homicídios na região.

O homem estava sendo procurado desde 2020O homem estava sendo procurado desde 2020 – Foto: Polícia Civil/Divulgação/ND

Considerado de alta periculosidade, o preso possui cinco mandados de prisão por crimes de homicídios e organização criminosa. Ele estava sendo investigado e procurado por diversas unidades especializadas da Polícia Civil. Segundo o delegado William Salles, responsável pelo caso, não houve resistência à prisão.

A investigação da DIC (Divisão de Investigação Criminal) começou em abril de 2020, após a confirmação de um duplo homicídio em São José.

À ocasião, foi apurado que três homens, confundidos com integrantes de uma facção criminosa rival, foram levados à cidade para serem executados. Dois deles morreram com vários disparos de arma de fogo. O terceiro, também atingido, se fingiu de morto e sobreviveu.

O inquérito policial foi finalizado e encaminhado ao Judiciário. “Ele possui cinco mandados de prisão, um nosso aqui, por duplo homicídio ocorrido no ano passado. Caso solucionado e, com ele preso, todos os autores estão presos”, informou o delegado.

A captura, segundo Salles, havia sido dificultada porque o criminoso fazia constantes mudanças, tanto na aparência física, como nos locais onde se escondia.  Desde que a prisão preventiva foi decretada, em agosto do ano passado, a procura dos policiais passou era ininterrupta.

.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.

+

Polícia