Laboratório de ecstasy que produzia 4 mil comprimidos por hora é fechado em Joinville

Polícia Civil do Distrito Federal também prendeu o responsável pela fábrica de drogas, que operava em Santa Catarina e abastecia todo o país

Um homem de 29 anos, considerado pela Polícia Civil do Distrito Federal um grande fornecedor de ecstasy para todo o Brasil, foi preso em Joinville na última semana. Os agentes localizaram também a fábrica de drogas sintéticas que ele operava, em um sítio alugado, que tinha capacidade para produzir quatro mil comprimidos por hora. A operação, realizada pela Cord (Coordenação de Repressão às Drogas), foi intitulada Merry Christmas.

Laboratório de drogas tinha capacidade para produzir quatro mil comprimidos por hora. - PCDF/Divulgação/ND
Laboratório de drogas tinha capacidade para produzir quatro mil comprimidos por hora. – PCDF/Divulgação/ND

De acordo com a Polícia Civil, foram apreendidos insumos suficientes para produzir 50 mil comprimidos.  A capacidade do laboratório era tamanha que a produção era escoada a traficantes de todo o país. O suspeito utilizava aplicativos de mensagem e enviava as drogas pelos correios.

A casa havia sido alugada somente para essa finalidade. Todos os cômodos foram transformados para comportar as fases de produção e o isolamento possibilitava que o traficante virasse a noite com as prensas ligadas, sem que o barulho chamasse a atenção.

Os policiais localizaram duas máquinas automáticas de prensa de comprimidos, moldes com diversos formatos, vários sacos de celulose, corantes, série de produtos químicos, quase 1 kg de MDA puro, além de Ketamina e caixas para secagem. Foram encontrados, ainda, R$ 5 mil em espécie, anabolizantes, remédios abortivos, milhares de comprimidos e massa base para produção de outros milhares de comprimidos. Dois carros de luxo foram apreendidos. Já o preso foi encaminhado ao Distrito Federal.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Polícia

Loading...