Médico de Florianópolis será indiciado em cinco inquéritos após acusações de crime sexual

Dezesseis pacientes já foram ouvidas na polícia e outras dez ainda devem prestar depoimento

O nutrólogo Omar César Ferreira de Castro, 65, acusado de violentar sexualmente pacientes em seu consultório, no Centro de Florianópolis, está sendo indiciado por estupro em cinco inquéritos policiais. Omar está no Presídio Masculino de Florianópolis com prisão temporária de 30 dias.

:: Médico é preso acusado de abusar sexualmente de pacientes em Florianópolis

Rosane Lima/ND

Omar continua preso preventivamente em Florianópolis

Ele foi preso em seu consultório, na frente de várias pacientes às 8h10 de 16 de fevereiro. Depois da prisão do nutrólogo, muitas mulheres procuraram a 6ª DP (Delegacia de Proteção a Criança, Adolescente, Mulher e Idoso) para relatar que saíam de casa à procura de tratamento médico para emagrecimento e eram abusadas no consultório.

:: Mulheres abusadas pelo médico Omar começam a depor na segunda-feira

Até ao meio-dia desta sexta-feira (26), 16 mulheres haviam prestado depoimento. De acordo com o delegado Ricardo Lemos Thomé, estão agendados mais dez depoimentos. Ele explicou que há denúncias que prescreveram porque elas têm mais de seis meses. Para estes casos, os depoimentos servem apenas como informação e serão unidos ao inquérito que apura a acusação de estupro da servidora pública, que diz ter sido dopada pelo médico. Foi esta denúncia que originou a prisão provisória de Omar.

Porém, os casos recentes serão transformados em mais quatro inquéritos aumentando, gradativamente, a pena do médico, caso ele seja condenado. Omar será o último a ser interrogado. Thomé ainda disse que final do inquérito vai sugerir à Justiça que converta a prisão temporária do médico em prisão preventiva.

Nervosismo e choro marca os depoimentos

Quando as vítimas vão à delegacia e sentam-se na frente do escrivão Leandro Coelho, elas ficam sem jeito para começar a conversa. “Algumas abaixam a cabeça e choram ao relembrar que eram tocadas e beijadas à força”, comentou o escrivão. Ele contou que procura deixá-las à vontade. “Eu falo que vou questioná-las sobre algo íntimo e pergunto se elas gostariam que fossem entrevistadas por uma escrivã, mas todas dizem que não faz diferença”.

De acordo com os relatos, a abordagem do nutrólogo era sempre a mesma: começava com um beijo forçado na boca e massagens nos ombros. Elas também relatam que eram tocadas nas partes íntimas e que o médico perguntava se elas estavam gostando. 

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Polícia

Loading...