Moradores de Saudades prestam homenagem às vítimas da chacina em creche

Ato ocorreu em frente a escola infantil Pró-Infância Aquarela ocorreu no fim da tarde desta terça-feira (11), uma semana após o ataque

Uma semana após o ataque a creche Pró-Infância Aquarela, entidades do município de Saudades, no Oeste catarinense, realizaram, no fim da tarde desta terça-feira (11), uma homenagem às vítimas da chacina. Ao todo, cinco pessoas foram atacadas e mortas com golpes brutais de espada – entre elas três crianças com menos de dois anos -, por um jovem de 18 anos.

Moradores se reuniram em frente a creche para prestar homenagem às vítimas. - Rodrigo Kroth/Divulgação
1 6
Moradores se reuniram em frente a creche para prestar homenagem às vítimas. - Rodrigo Kroth/Divulgação
Moradores se reuniram em frente a creche para prestar homenagem às vítimas. - Rodrigo Kroth/Divulgação
2 6
Moradores se reuniram em frente a creche para prestar homenagem às vítimas. - Rodrigo Kroth/Divulgação
Moradores se reuniram em frente a creche para prestar homenagem às vítimas. - Rodrigo Kroth/Divulgação
3 6
Moradores se reuniram em frente a creche para prestar homenagem às vítimas. - Rodrigo Kroth/Divulgação
Moradores se reuniram em frente a creche para prestar homenagem às vítimas. - Rodrigo Kroth/Divulgação
4 6
Moradores se reuniram em frente a creche para prestar homenagem às vítimas. - Rodrigo Kroth/Divulgação
Moradores se reuniram em frente a creche para prestar homenagem às vítimas. - Rodrigo Kroth/Divulgação
5 6
Moradores se reuniram em frente a creche para prestar homenagem às vítimas. - Rodrigo Kroth/Divulgação
Moradores se reuniram em frente a creche para prestar homenagem às vítimas. - Rodrigo Kroth/Divulgação
6 6
Moradores se reuniram em frente a creche para prestar homenagem às vítimas. - Rodrigo Kroth/Divulgação

As homenagens, que contaram com o apoio da prefeitura, iniciaram por volta das 18h na frente da creche, na rua Quintino Bocaiúva, no bairro Industrial. Mesmo com a chuva, a população compareceu em frente a escola para relembrar as vítimas.

Além de música, autoridades do município se manifestaram sobre a tragédia vivenciada há sete dias. O padre Armando, da paróquia de Saudades, também deixou uma mensagem de fé e esperança.

O prefeito de Saudades, Maciel Schneider, falou que a cidade espera que a justiça seja feita e salientou que o coração de Saudades, de Santa Catarina e do Brasil chora a falta de cada vítima.

“Que essas lembranças nos deem a esperança de amanhã termos um dia melhor. Que as professoras e nós pais tenhamos a coragem de trazer nossos filhos à creche, porque o problema não está na Aquarela, está na pessoa que fez isso. Precisamos que os professores tenham ainda mais força, porque as crianças precisam de vocês para que retomem as atividades. Todos com dor no coração, mas precisamos seguir porque têm outros pequenos que precisam de nós”, acrescentou o prefeito.

O crime

Era por volta das 10h do dia 4 de maio, quando um jovem de 18 anos chegou de bicicleta em frente à creche. Antes de cometer o crime, ele saiu da empresa onde trabalhava, foi para casa onde morava com os pais e fez um lanche. Com a espada ele foi até a creche e cometeu a chacina.

Os vizinhos próximos da creche foram os primeiros a prestar socorro às vítimas. O Corpo de Bombeiros recebeu a primeira ligação às 10h02.

Segundo a Polícia Civil, em uma sala de aula ele desferiu golpes de arma branca em quatro crianças, uma  professora e uma agente educativa. Três crianças e as duas educadoras morreram.

Outra criança, um menino de 1 ano e 8 meses, foi socorrido com vida. Ele passou por uma cirurgia na região do pulmão e deixou a UTI (Unidade de Terapia Intensiva) na quarta-feira, em estado estável. O bebê segue em recuperação no Hospital da Criança, em Chapecó.

Na última quinta-feira (6), a Justiça negou o pedido de exame de sanidade mental do rapaz, solicitado pela defesa. Ele foi autuado em flagrante por cinco homicídios e uma tentativa de homicídio triplamente qualificados. As investigações seguem para compreender as motivações do crime.

O autor do ataque foi interrogado pela Polícia Civil no fim da tarde desta segunda-feira (10), no HRO (Hospital Regional do Oeste), em Chapecó, onde está internado desde a última terça-feira (4), dia da chacina. Após matar as cinco vítimas, ele tentou tirar a própria vida. A alta do jovem deve ocorrer nos próximos dias. Ele será encaminhado com escola policial a uma unidade prisional do Estado.

As vítimas

No momento do crime, 20 crianças estavam na creche sob os cuidados das professoras. As vítimas fatais foram a professora Keli Adriane Aniecevski, de 30 anos, a agente educacional Mirla Renner, de 20 anos, e os bebês Sarah Luiza Mahle Sehn, de 1 ano e 7 meses; Murilo Massing, de 1 ano e 9 meses e Anna Bela Fernandes de Barros, de 1 ano e 8 meses.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Chapecó e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Polícia

Loading...