Moto comprada, vigia e suspeitos presos: o que se sabe sobre assassinato de ex-secretário em SC

Sérgio Roberto Lezan foi morto a tiros na terça-feira (14), na área central de Major Vieira, no Planalto Norte catarinense

Passadas 24 horas do assassinato de Sérgio Roberto Lezan, ex-secretário de Obras e Serviços de Major Vieira, a motivação do crime que chocou a pequena cidade do Planalto Norte de Santa Catarina segue um mistério.

Polícia já identificou a motocicleta usada no crime e prendeu dois suspeitos – Foto: PC/DivulgaçãoPolícia já identificou a motocicleta usada no crime e prendeu dois suspeitos – Foto: PC/Divulgação

Desde o homicídio, registrado por volta de 12h de terça-feira (14), a Polícia Civil já conseguiu identificar a motocicleta usada no crime e prender dois suspeitos, que foram encaminhados ao presídio de Canoinhas.

O delegado regional de Canoinhas, Eduardo Borges, conta que a motocicleta foi identificada a partir de imagens de segurança e, após seguir um rastro com informações de oficinas e antigos donos do veículo, a polícia conseguiu chegar até o proprietário mais recente, que havia anunciado a moto na internet.

“Fomos até a pessoa e ela contou que, no sábado (11), alguém mandou mensagem e após cerca de 30 minutos de negociação a motocicleta foi vendida”, explica o delegado.

Lezan foi assassinado perto de ginásio em Major Vieira – Foto: Divulgação/JMaisLezan foi assassinado perto de ginásio em Major Vieira – Foto: Divulgação/JMais

Com a placa da moto e a localização de onde ela havia sido comprada, a Polícia Civil, com apoio de barreiras e rondas feitas pela Polícia Militar, conseguiu chegar até os dois suspeitos na localidade de Rio Bonito, interior do município vizinho de Papanduva.

A dupla, que tem 31 e 27 anos, ainda estava com o veículo e, por isso, foi presa em flagrante por homicídio. “Um deles negou a participação de forma bem genérica, disse que não sabia, enquanto o outro permaneceu em silêncio”, conta Eduardo. A arma usada no crime ainda não foi encontrada.

Segundo testemunhas, a vítima já vinha sendo acompanhada pelos suspeitos. “Disseram que já tinham visto a moto com os dois homens na proximidade e que chamou atenção porque o rapaz não tirou o capacete enquanto esperava sentado”, destaca o delegado.

Polícia investiga motivação do crime

Logo após o crime, foi aventada a possibilidade de que a morte poderia estar ligada à Operação Conta Zerada, deflagrada em 2021 para apurar crimes relacionados à administração pública de Major Vieira.

Uma das envolvidas seria a contadora do município, acusada de ser a líder e de pagar 285 boletos pessoais com o dinheiro da prefeitura. Segundo a investigação, o grupo se apropriava dos recursos municipais de diversas maneiras, a principal delas, por meio de pagamento de boletos pessoais, familiares e de comércios que pertenciam à contadora e ao marido.

Informações sobre os desvios de valores e o patrimônio incompatível com a renda foram denunciadas pelo prefeito da cidade e por secretários municipais, entre eles Lezan. Apesar disso, o delegado afirma que ainda não é possível concluir que essa seja a motivação.

“É uma linha bem aberta, há várias possíveis motivações, até com a possibilidade de que eles não tinham contato com a vítima”, fala Eduardo. Agora, a Polícia Civil pretende identificar quem adquiriu a motocicleta e buscar novos elementos para chegar à motivação.

Lezan tinha 56 anos e era suplente na Câmara de Vereadores – Foto: Internet/ReproduçãoLezan tinha 56 anos e era suplente na Câmara de Vereadores – Foto: Internet/Reprodução

Sérgio Roberto Lezan foi atingido por três disparos, um deles na cabeça, e morreu no local. Ele será sepultado na tarde desta quarta-feira (15), em Irineópolis, e deixa esposa e quatro filhos.

Além de ex-secretário de Obras e Serviços, ele era suplente na Câmara de Vereadores e subtenente da reserva da Polícia Militar. A prefeitura de Major Vieira decretou luto oficial de três dias.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Joinville e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Polícia

Loading...