‘Não confiem, cuidem de si’: mãe faz alerta após feminicídio da filha em Joinville

Barbra Amorim Lacerda tinha 32 anos e foi morta pelo ex-marido em frente à oficina em que trabalhava na zona Sul da cidade

“Não confiem tanto nesses homens, a partir da primeira agressão comecem a cuidar de si. Amem-se mais do que a esses bandidos”. O alerta é para todas as mulheres e vem de uma mãe que sente a perda da filha, morta em Joinville, no Norte de Santa Catarina. O ex-marido é o principal suspeito.

Barbra Amorim Lacerda tinha 32 anos e teve a vida interrompida depois de ser atingida por dois disparos de arma de fogo na tarde de terça (26), na zona Sul da cidade. Adriano de Borba, 42 anos, não aceitava o fim do relacionamento de sete anos e fugiu do local.

Barbra tinha 32 anos, era empreendedora e mãe de uma menina de três anos – Foto: InternetBarbra tinha 32 anos, era empreendedora e mãe de uma menina de três anos – Foto: Internet

O feminicídio aconteceu após uma série de agressões, que já haviam sido denunciadas pela vítima à polícia. “Desde março ele vinha fazendo todo tipo de ameaça, injúria e agressão física, usava arma para intimidá-la”, conta Lucianira Amorim da Silva, mãe de Barbra.

Cansada e com medo, a vítima saiu de casa e foi morar com a mãe por um tempo em São Francisco do Sul. Porém, a oficina da qual era dona tinha dívidas e estava no nome dela, o que a motivou a voltar para Joinville e cuidar dos negócios. No retorno, o ex-marido tentou matá-la.

“Quando ela voltou ele tentou o estrangulamento que só não a matou porque os vizinhos perceberam e vieram socorrer. Foi feito boletim de ocorrência, pedido de medida protetiva e todo o encaminhamento para a separação”, fala Lucianira.

Nesta semana, Barbra, que também tinha um salão de beleza e era conhecida pelo espírito empreendedor, voltou a trabalhar na oficina para conseguir regularizar as dívidas que surgiram depois que o marido parou de trabalhar, em março.

Foi na frente do estabelecimento que o suspeito atirou contra ela. Segundo a Polícia Militar, a vítima foi atingida na cabeça e no tórax e morreu ainda no local. O autor do crime fugiu com o veículo de um cliente da oficina e não foi encontrado até o momento.

Crime aconteceu em frente à oficina de Barbra, na zona Sul – Foto: Reprodução/NDCrime aconteceu em frente à oficina de Barbra, na zona Sul – Foto: Reprodução/ND

Lucianira conta que a filha fez o que pode para fugir das agressões, mas acabava sendo influenciada. “A família dele super protegia ele e dizia para ela ter condescendência porque ele já havia sido preso e ela poderia ferrar com ele. Então, ela acabava amolecendo”, lamenta.

A mãe acredita que o ex-genro começou a usar drogas, o que explicaria a mudança de comportamento. “O Adriano que ela conheceu era um, esse era outro completamente diferente”. Foragido desde a tarde de terça, ele ainda não foi encontrado.

Lucianira lembra como era a filha, a segunda que ela perdeu de forma violenta – há sete anos, ela velou outra filha, vítima de acidente. “Era empreendedora, trabalhadora, mãe super dedicada e amorosa. Uma menina de mil ideias”, se emociona.

Barbra foi morta a tiros na zona Sul de Joinville – Foto: InternetBarbra foi morta a tiros na zona Sul de Joinville – Foto: Internet

Barbra e o ex-marido tem uma filha de três anos, que vai ficar com a avó. O medo de Lucianira é que Adriano as ameace. “Minha insegurança é que ele tente alguma coisa, que vá atrás da gente. Como ele anda armado, é perigoso”, alerta.

Barbra será sepultada em São Francisco do Sul, em horário ainda não definido. Além de justiça, a mãe pede forças a Deus. “É um momento muito difícil, doloroso, esperava que eu pudesse ser a última mãe a passar por isso”.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Joinville e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Polícia

Loading...