Novo xerife chega com moral na diretoria da Deic de SC

Caso Monteiro. Akira Sato pretende priorizar combate a caixeiros e traficantes

A semana foi de muito trabalho para o delegado Laurito Akira Sato. Ele dedicou os últimos dias em Brasília para fechar os trabalhos junto à Força Nacional de Segurança Pública, e retornar a Santa Catarina para assumir a chefia da Deic (Diretoria Estadual de Investigações Criminais), considerada uma das unidades policiais mais importantes do Estado. A posse será nesta segunda-feira.

Na coordenação da Deic, Akira promete dar continuidade ao intenso trabalho que já vem sendo desempenhado pelos policiais que atuam na cidade, com ênfase no combate ao crime organizado e quadrilhas de caixeiros e traficantes que escolhem Santa Catarina como alvo. 

Segundo o delegado geral de Polícia Civil, Aldo Pinheiro D’ Àvila, a Deic continuará sendo conduzida por um profissional tão gabaritado e experiente como vinha acontecendo com o antigo diretor. “O nome de Akira foi prontamente aceito para coordenar os trabalhos junto à Deic pelo perfil ético e profissional com que sempre atuou na instituição”, disse D’ Ávila.

Akira é Paulista e está na Polícia Civil Catarinense desde 2006, trabalhando como delegado. Com vasta experiência na área da segurança pública, já atuou por nove anos como investigador do Grupo Garra do ABC em São Paulo e, em Santa Catarina, coordenou a Divisão de Furtos e Roubos de Veículos da Delegacia Especializada em Trânsito de Joinville.

Akira é instrutor de tiro e táticas policiais da Acadepol (Academia da Polícia Civil) e da Força Nacional de Segurança Pública. Em Brasília, desde o ano passado, coordenava as operações da Polícia Judiciária do Departamento da Força Nacional da Secretaria Nacional de Segurança Pública.

Empolgado com o novo posto, o delegado é otimista. “Todos os policiais jogam num time só, o time do Estado. Eu chego para somar”, declarou de Brasília por telefone.

Internautas apelam a Colombo

 A exoneração do delegado Claudio Monteiro da chefia da Deic repercute na cidade com novos desdobramentos. Seguro da decisão, o secretário Ceésar Grubba, afirmou que foi custoso demitir Monteiro, mas que faria de novo quantas vezes fosse necessário.

O grupo “Fica Monteiro”, na internet, já ultrapassa 34 mil membros. Depois da passeata frustrada de pedir a volta do delegado na última segunda-feira, dia 9, — a expectativa do grupo era reunir, pelo menos, grande parte dos então quase 30 mil membros, mas apenas cerca de 60 pessoas compareceram— o grupo propõe, agora, a assinatura de petição online, que será encaminhada para o governador Raimundo Colombo pedindo que reconsidere a exoneração de Monteiro.

O anseio dos internautas que se sensibilizam com o delegado parece longe de ser acatado pelo governo. “Eu não me preocupei com a repercussão que iria ter esse caso. Naquele momento, o delegado Monteiro estava realmente fazendo um grande trabalho, mas eu não me preocupei se este era o momento ou não. Foi uma atitude administrativa normal”, explicou mais uma vez o secretário.

Grubba lembrou ainda que parte dos membros da comunidade na internet não pediu para ingressar no grupo.  “Minha filha foi adicionada mesmo sem querer. Nas ruas, quando alguém me pergunta os motivos da exoneração e eu explico, as pessoas passam a concordar com minha posição”, finalizou.

Acesse e receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Polícia