O que deve acontecer com os agentes que agrediram jovens na ação em Balneário Camboriú

Um jovem foi atingido com tiro de borracha e uma moça foi agredida com um tapa no rosto. A Guarda Municipal instaurou um inquérito para apurar a conduta dos agentes

Após a repercussão da ação violenta da Guarda Municipal de Balneário Camboriú, que ocorreu na última sexta-feira (4), em um bar conhecido como Casa do Rap, situado no bairro da Barra, o prefeito da cidade, Fabrício Oliveira, se manifestou afirmando que a prefeitura instaurou uma sindicância para apurar a conduta dos agentes.

O guarda que nas imagens aparece disparando tiros de borracha na rua e em seguida dando um tapa no rosto de uma moça foi afastado. De acordo com a Guarda Municipal, toda ação será investigada na sindicância aberta.

“Já determinei o afastamento do guarda e estou abrindo a sindicância para apurar as responsabilidades, até porque vai ser investigado todo o detalhamento desta ação”, explicou Fabrício Oliveira, prefeito de BC.

Em nota, a Guarda explicou que a Secretaria de Segurança vai solicitar as imagens na íntegra “para subsidiar o processo e serão enviadas ao Ministério Público para que exista transparência nos fatos apurados”.

Guarda partiu para cima das pessoas, e empurrou jovem com a arma – Foto: ReproduçãoGuarda partiu para cima das pessoas, e empurrou jovem com a arma – Foto: Reprodução

Fabrício Oliveira ainda reiterou que: “é óbvio que não somente o prefeito como o comando da Guarda e o secretário não compactuam com esse tipo de ação e por isso, nós temos que apurar todas as responsabilidades e agir com rigor, levando em conta que isso não é a extensão do trabalho da Guarda Municipal, que tem um trabalho relevante em Balneário Camboriú”.

Abordagem violenta

Em uma entrevista Wellington, conhecido como Blackout, que é um dos sócios da casa, afirmou que os guardas pediram para que apenas os sócios permanecessem na casa, ele e os colegas afirmaram que ele também era sócio, porém os guardas não acreditaram.

Wellington, conhecido como Blackout, levou um tiro de borracha no braço e foi agredido por policiais – Foto: Reprodução redes sociaisWellington, conhecido como Blackout, levou um tiro de borracha no braço e foi agredido por policiais – Foto: Reprodução redes sociais

“Eles não quiseram escutar ninguém e já começou a pedir para eu sair da casa. Eu saí e falei pra galera que estava na casa: ‘vamos deixar só os sócios’ e ai eles deram o primeiro tiro que pegou no meu dedo. Eles falaram que ia prender todo mundo se não parassem de gravar, deu um tapa na mão da moça que estava gravando e nisso, todo começou a gritar, ele me empurrou com a arma e me deu um tiro a queima roupa no meu braço’, conta.

Mesmo ferido, o sócio da casa afirma que continuou sendo agredido pelos guardas. “Eles continuaram me empurrado com a arma com cano quente, eu saí correndo pelo canto da casa e ele continuou mirando em mim e atirando”, relembrou.

Wellington afirma que esta com medo após a abordagem. “Eu estou com medo, mais medo de sair de casa, porque isso acontece com os meus iguais por conta de um sistema racista que ao invés de proteger, assusta”, finalizou.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Itajaí e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Polícia