Padrasto suspeito de estuprar menina de 12 anos em Tijucas é preso

Homem apresentou documento falso, mas ainda assim foi identificado pelos policiais

Por volta das 11h40 desta terça-feira (9), a Polícia Militar de Tijucas conseguiu identificar e prender um homem suspeito de molestar a enteada de 12 anos.

Os policiais estavam buscando pelo suspeito desde que a denúncia foi feita pela mãe da menina, na madrugada de segunda-feira (8). Os agentes estavam na rua Adriel Menezes, bairro Jardim Progresso, quando avistaram o suspeito que correspondiam às características passadas pelas vítimas.

Homem deve responder por estupro e violência contra mulher – Foto: Polícia Militar/divulgaçãoHomem deve responder por estupro e violência contra mulher – Foto: Polícia Militar/divulgação

O homem estava entrando em um bar quando foi abordado pelos policiais, ele apresentou uma CNH (Carteira Nacional de Habilitação) falsa, apreendida pela polícia. Os agentes confirmaram que era o suspeito através do sistema policial.

O suspeito foi preso e encaminhado a Delegacia de  Polícia de Tijucas. Ele vai responder por violência contra a mulher e estupro de vulnerável.

Relembre o caso

Na madrugada de segunda-feira, policiais foram chamados por uma menina de 12 anos que pedia ajuda para a mãe que estava sendo agredida pelo esposo, padrasto da menina.

O desentendimento começou na noite de domingo (7), quando a mãe da menina flagrou o homem molestando a garota.

Diante do abuso, a mãe pegou a filha e foram dormir em um ônibus, propriedade da família. Durante a noite o homem invadiu o veículo e começou agredir a mulher, até que arrancou com o ônibus. A mãe então orientou a menina a fugir e chamar a polícia.

Foi então que a menina conseguiu chamar os policiais e logo depois foi alcançada pela mãe, que confirmou o abuso. A adolescente está sob a custódia do Conselho Tutelar.

Participe do grupo e receba as principais notícias
de Itajaí e região na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.

+

Polícia