PF apresenta resultado de investigação da Operação Ave de Rapina nesta quinta em Florianópolis

Dezesseis dos 23 vereadores da Capital foram intimados a prestar esclarecimentos

Daniel Queiroz/Arquivo/ND

Operação foi deflagrada no dia 12 de novembro

Dezesseis dos 23 vereadores de Florianópolis foram intimados pela Polícia Federal a prestar esclarecimentos relacionados aos assuntos investigados pela operação Ave de Rapina. Um assunto ganhou maior atenção: a tramitação do projeto de lei Cidade Limpa. Sete vereadores prestaram depoimento na terça-feira e oito nesta quarta-feira – um está em viagem e não compareceu. Segundo o delegado Ildo Rosa, da Polícia Federal, “grande parte dos que foram intimados será indiciada”. O resultado desta fase da investigação será apresentado hoje na superintendência da Polícia Federal.

A retomada dos depoimentos começou por volta das 10h, com a chegada do vereador Dalmo Meneses (PP) ao local. Ele deixou a sede da PF por uma saída alternativa e não falou sobre o depoimento. O segundo vereador a ser interrogado foi Marcelo da Intendência (PDT). Nervoso, ele se mostrava inconformado pelo destaque que a imprensa vem dando aos depoimentos dos vereadores. “Tudo que a gente faz ganha uma repercussão enorme”, reclamou. O vereador também deixou a sede da PF por uma saída alternativa.

Ainda pela manhã se apresentou o vereador Pedrão (PP), que só saiu do prédio no meio da tarde. Seu interrogatório foi o mais longo do dia. Questionado sobre a tramitação do Cidade Limpa, ele reforçou que votou contra a proposta. “Tirei algumas conclusões que precisava entender e expus alguns pontos que precisava deixar claros”, disse. “A verdade logo virá à tona”, completou.

Nesta quinta-feira, às 10h, o superintendente da Polícia Federal Clyton Eustáquio Xavier apresenta o resultado desta segunda fase da investigação. A operação Ave de Rapina foi dividida em três inquéritos: dois apontaram o indiciamento de 26 pessoas, foram concluídos e entregues ao MP-SC (Ministério Público de Santa Catarina). O terceiro será apresentado hoje. Além de vereadores, a PF não descarta o indiciamento de empresários. (Colaborou Leonardo Thomé)


Cidade Limpa norteia os interrogatórios

À tarde, prestaram depoimento Deglaber Goulart (PMDB), Aldérico Furlan (PSC), Edmilson Carlos Pereira Junior, o Ed (PSB), Roberto Katumi Oda (PSB) e Edinon Manoel da Rosa, o Dinho (PMDB). Cada interrogatório durou em média uma hora.

Deglaber, ao sair, disse que foram apresentadas algumas planilhas e questionada a tramitação do Cidade Limpa e relação com empresários. “Sobre os radares e a Franklin Cascaes eu não pude ajudar”, disse. Deglaber também foi perguntado sobre doação que recebeu de Adriano Nunes – preso por arregimentar empresários que pagavam propina pela desfiguração do Cidade Limpa – durante sua campanha para deputado estadual. “Não há problema nenhum, as contas estão prestadas regularmente”, afirmou.

Furlan comentou apenas que prestou esclarecimentos sobre o mesmo projeto de lei. A mesma resposta foi dada por Dinho. “Estou tranquilo, dei as informações que me foram solicitadas”, disse. Questionado sobre relação com empresários, afirmou que prefere “deixar estas questões para a polícia”.

Ed e Katumi saíram pelos fundos. Ao chegar, Ed disse que pretendia ajudar a esclarecer fatos sobre o Cidade Limpa.

 

VEREADORES INTIMADOS

Depoimentos de terça-feira
Waldyvio da Costa Paixão Júnior, Coronel Paixão (PDT)
César Faria (PSD)
Tiago Silva (PDT)
Erádio Manoel Gonçalves (PSD)
Célio João (PMDB)
Guilherme Pereira (PSD)
Ricardo Camargo Vieira (sem partido)

Depoimentos de quarta-feira
Dalmo Meneses (PP)
Marcelo da Intendência (PDT)
Deglaber Goulart (PMDB)
Pedrão (PP)
Aldérico Furlan (PSC)
Roberto Katumi Oda (PSB)
Edmilson Carlos Pereira Junior (PSB)
Edinon Manoel da Rosa (PMDB)

Em viagem
Vanderlei Farias (PDT)

+

Polícia